Mercado fechará em 5 h 36 min
  • BOVESPA

    110.039,92
    -100,72 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,05
    +0,17 (+0,22%)
     
  • OURO

    1.928,70
    -2,10 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    23.528,90
    -259,32 (-1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    537,42
    -7,90 (-1,45%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.852,38
    +32,22 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.755,25
    -91,50 (-0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5408
    +0,0511 (+0,93%)
     

Número de descobertas tecnológicas e científicas caiu ao longo das décadas

O número de descobertas tecnológicas e científicas caiu ao longo das décadas, de acordo com um relatório publicado na revista Nature. Segundo o estudo, atualmente patentes e documentos têm menos probabilidade de levar o corpo de conhecimento da humanidade em novas direções, em comparação com o que era décadas atrás.

Segundo a análise, que contemplou 45 milhões de artigos e 3,9 milhões de patentes distribuídos por 6 décadas, houve queda entre 1945 e 2010 varia de 91,9% a 100% para artigos científicos. Para patentes, a queda entre 1980 e 2010 varia de 78,7% a 91,5%.

"Descobrimos que artigos e patentes têm cada vez menos probabilidade de romper com o passado de maneiras que impulsionam a ciência e a tecnologia em novas direções. Esse padrão se mantém universalmente em todos os campos e é robusto em várias métricas diferentes baseadas em citações e textos", aponta o estudo.

Número de descobertas tecnológicas e científicas caiu ao longo das décadas (Imagem: ckstockphoto/envato)
Número de descobertas tecnológicas e científicas caiu ao longo das décadas (Imagem: ckstockphoto/envato)

No entanto, os pesquisadores afirmam que é improvável que as quedas sejam causadas por mudanças na qualidade da ciência publicada. A teoria é que a desaceleração pode "refletir uma mudança fundamental na natureza da ciência e tecnologia."

Com isso, os pesquisadores pedem aos formuladores de políticas que reimaginem como a ciência é conduzida e implementem mudanças de financiamento para melhor apoiar as carreiras de longo prazo dos acadêmicos. Além disso, os autores refletem que muita inovação vem de tentar coisas novas ou pegar ideias de diferentes campos e ver o que acontece, mas se existe preocupação em publicar artigo após artigo o mais rápido possível, isso deixa muito menos tempo para ler profundamente.

De acordo com os próprios autores, compreender o declínio da ciência e tecnologia disruptivas de forma mais completa permite repensar as estratégias necessárias para organizar a produção de ciência e tecnologia no futuro.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: