Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,60
    +1,62 (+2,03%)
     
  • OURO

    1.816,10
    +6,50 (+0,36%)
     
  • BTC-USD

    17.209,00
    +250,40 (+1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    407,58
    +6,15 (+1,53%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,05 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.819,96
    +42,06 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.996,00
    -14,25 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5008
    +0,0068 (+0,12%)
     

Níveis baixos e moderados de estresse são bons para o cérebro

Você sabia que níveis baixos e moderados de estresse podem ser bons para o cérebro? A informação vem de um estudo publicado na revista científica Neuropsychologia. Isso porque, conforme indica a pesquisa, existe uma melhora na memória de trabalho (voltada a informações de curto prazo).

Mas não se engane: pessoas muito estressadas não se beneficiam. Acontece que os níveis mais altos de estresse resultam no contrário, tornando-o tóxico e causando vários outros tipos de doença. Na verdade, conforme indica o artigo, altos níveis constantes de estresse podem até mudar a estrutura do cérebro.

Isso leva ao aumento da massa branca em detrimento da massa cinzenta, que está envolvida no controle muscular, na tomada de decisões, no autocontrole e na regulação emocional. O estresse crônico também pode tornar as pessoas mais suscetíveis a náuseas e enxaquecas até pressão alta, além de doenças cardíacas.

Níveis baixos e moderados de estresse são bons para o cérebro, segundo estudo (Imagem: Aew/Rawpixel)
Níveis baixos e moderados de estresse são bons para o cérebro, segundo estudo (Imagem: Aew/Rawpixel)

Para conduzir o estudo, os pesquisadores analisaram exames de ressonância magnética de mais de mil pessoas. Os resultados sugeriram que, enquanto os indivíduos que relataram níveis de estresse baixos a moderados apresentaram aumento da atividade nas partes do cérebro que envolvem a memória de trabalho, os participantes que disseram ter experimentado altos níveis crônicos de estresse mostraram um declínio nessas áreas.

Para avaliar os níveis percebidos de estresse, os participantes responderam a perguntas sobre a frequência com que experimentavam certos pensamentos ou sentimentos. Além disso, para analisar a memória de trabalho, os participantes foram apresentados a uma série de imagens de coisas, como ferramentas e rostos de indivíduos, e depois solicitados a lembrar se eram as mesmas fotos que foram mostradas antes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: