Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,53
    +0,41 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.856,60
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    39.817,61
    -624,24 (-1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    988,53
    -22,07 (-2,18%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.416,46
    -24,84 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    14.039,75
    +9,50 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1127
    -0,0052 (-0,08%)
     

Não tomar a vacina contra COVID-19 pode gerar demissão por justa causa?

·1 minuto de leitura

A vacina contra a COVID-19 já é uma realidade para uma parcela da população, mas a imunização em em massa ainda não está em vigor. De qualquer forma, já surgem algumas questões, e uma delas envolve trabalho. Afinal, deixar de tomar a vacina pode acarretar em demissão por justa causa?

De acordo com o próprio Supremo Tribunal Federal (STF), tomar vacina contra a COVID-19 é obrigatório. Os trabalhadores podem optar por não receber a dose, mas para isso, é necessário apresentar justificativa documental.

Além disso, em resposta às questões levantadas pelos trabalhadores, o Ministério Público do Trabalho (MPT) divulgou um guia de recomendações voltadas para as empresas. A orientação, basicamente, é que "o interesse coletivo deve se sobrepor aos interesses individuais".

(Imagem: Katja Fuhlert / Pixabay)
(Imagem: Katja Fuhlert / Pixabay)

Sendo assim, o MPT aconselha que o empregador adote a vacinação como medida coletiva de proteção e ressalte aos seus funcionários a importância da vacinação para a proteção dele próprio e de seus colegas de trabalho. As orientações também dizem que o empregador deve informar as consequências jurídicas em caso de recusa sem justificativa. Dentre os motivos plausíveis, estão: alergia a algum componente da vacina, contraindicação médica ou gestação.

Em outras palavras: quem não se vacinar e não apresentar uma justificativa pode ser demitido sem justa causa. Mas a recomendação é que os funcionários não sejam demitidos de imediato, e sim que haja uma conversa sobre as consequências da recusa à vacinação. Vale ressaltar que a CLT obriga o empregador a oferecer aos seus funcionários um ambiente de trabalho seguro.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: