Mercado abrirá em 2 h 38 min
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,78
    -0,50 (-0,82%)
     
  • OURO

    1.710,20
    -5,60 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    49.000,58
    -1.952,05 (-3,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    983,45
    -3,76 (-0,38%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.614,54
    -60,93 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.609,00
    -72,75 (-0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7699
    -0,0088 (-0,13%)
     

'Não tem por que ter essa trauma todo apenas preocupado com a Covid', minimiza Bolsonaro

Gustavo Maia
·2 minuto de leitura
Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo

Enquanto pacientes infectados com a Covid-19 morrem por falta de oxigênio em Manaus, o presidente Jair Bolsonaro minimizou nesta sexta-feira as mortes decorrentes do novo coronavírus e declarou que "não tem porque ter essa trauma toda apenas preocupado com a Covid". O argumento de Bolsonaro foi que medidas de isolamento social com o lockdown causam "muito mais morte" que a pandemia, por diversas razões.

— Esse lockdown, esse isolamento causa muito mais morte, por depressão, por suicídio, por falta de emprego lá na frente do que a própria pandemia em si. Eu não tenho aqui os dados, o número de mortes por tipo de doença. A Covid tá mais lá embaixo. Então não tem por que ter essa trauma toda apenas preocupado com a Covid — declarou o presidente, em entrevista de aproximadamente uma hora ao programa "Os Pingos nos Is", da Jovem Pan, no início da noite.

Bolsonaro ainda questionou quantas cirurgias não são feitas no Brasil e estão sendo represadas por conta da pandemia e quantas pessoas estão morrendo de câncer, "os mais variados possíveis, porque não vão para o tratamento". As declarações foram feitas depois de ele defender o retorno às aulas presenciais, citando o número baixo de mortes entre jovens pela Covid-19.

Sobre a situação de Manaus, cujo sistema de saúde entrou colapso nos últimos dias, o presidente foi questionado se a situação na capital do Amazonas estaria melhor se medidas de isolamento tivessem sido evitadas e desconversou, oferecendo uma explicação alternativa:

— Semana passada a temperatura subiu em Manaus, e os problemas começaram a aparecer — afirmou.

O presidente disse ainda que enviou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na última segunda-feira, para intervir na cidade e ele imediatamente começou tratamento precoce. Segundo ele, o governo está "fazendo o possível", mas foi surpreendido por encontrar o sistema de saúde local "numa situação bastante complicada".

Bolsonaro insistiu ainda na reclamação contra o resultado de julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF), do ano passado, que o teria "proibido" de atuar no combate à Covid. Ele declarou que a corte resolveu lhe "castrar".

Na verdade, a decisão do STF, tomada em 15 de abril de 2020, apenas garantiu a autonomia de estados e prefeituras para tomar decisões relacionadas à pandemia. Na mesma decisão, o Supremo deixou claro que o governo federal também pode tomar medidas para conter a pandemia, mas em casos de abrangência nacional.