Mercado fechará em 3 h 59 min
  • BOVESPA

    109.464,61
    -881,21 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.030,52
    -346,37 (-0,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,93
    -0,36 (-0,33%)
     
  • OURO

    1.867,40
    +19,60 (+1,06%)
     
  • BTC-USD

    29.376,20
    -989,57 (-3,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    655,23
    -0,60 (-0,09%)
     
  • S&P500

    3.903,59
    -70,16 (-1,77%)
     
  • DOW JONES

    31.585,57
    -294,67 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.484,35
    -29,09 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    20.112,10
    -357,96 (-1,75%)
     
  • NIKKEI

    26.748,14
    -253,38 (-0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.710,75
    -324,50 (-2,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1910
    +0,0433 (+0,84%)
     

'Não podemos nos desviar de preços de mercado', diz presidente da Petrobras

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após novas reclamações do presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre os elevados lucros da Petrobras, o presidente da estatal, José Mauro Coelho, voltou a defender nesta sexta-feira (6) a política de preços dos combustíveis da companhia.

"Não podemos nos desviar da prática de preços de mercado, condição necessária para a geração de riqueza não só para a companhia mas para toda a sociedade brasileira, fundamental para atrair investimentos para o país e para garantir o suprimento de derivados que o Brasil precisa importar", disse.

A declaração foi dada em discurso de abertura de teleconferência com analistas para detalhar o lucro de R$ 44,5 bilhões no primeiro trimestre de 2022, que motivou anúncio de distribuição de R$ 48,5 bilhões em dividendos aos acionistas.

Pouco antes da divulgação do resultado nesta quinta (5), Bolsonaro disse em sua live semanal que os elevados lucros da Petrobras são um "estupro" e que um novo reajuste nos preços dos combustíveis pode quebrar o país.

"A gente apela para a Petrobras: 'não reajuste o preço dos combustíveis'. Vocês estão tendo um lucro absurdo. Se continuar tendo lucro dessa forma e aumentando o preço dos combustíveis, vai quebrar o Brasil", disse o presidente.

Os elevados lucros da estatal são alvo de críticas tanto no governo quanto na oposição, diante da alta dos preços dos combustíveis no país. Por outro lado, o setor de combustíveis, que reclama que a elevada defasagem gera risco de desabastecimento do mercado.

A preocupação com o abastecimento é um dos argumentos que vem sendo repetido por Coelho em defesa da política de preços, desde que ele ainda ocupava um cargo no MME (Ministério de Minas e Energia). Nesta sexta, ele voltou a lembrar que o Brasil depende de diesel e gasolina importados.

Em entrevista para falar do balanço com a imprensa, Coelho disse entender que a preocupação do presidente da República é legítima e que o elevado preço dos combustíveis é um problema em todo o mundo atualmente.

"Por outro lado, por dever de diligência, os administradores da Petrobras e administradores de empresas de capital aberto devem atuar, no caso da Petrobras, de acordo com a política de preços da companhia", afirmou.

O diretor de Relacionamento Institucional e Sustentabilidade da estatal, Rafael Chaves, acrescentou que preços de mercado são "uma forma democrática" de sinalizar a compradores e fornecedores quais as condições do abastecimento, se é preciso aumentar a oferta ou reduzir o consumo, por exemplo.

"A alternativa ao preço de mercado é o preço tabelado. A gente já viu isso no passado no Brasil e muitos vizinhos tentam também, e isso não funciona", afirmou.

O mercado financeiro espera para breve novos reajustes, principalmente no preço do diesel, que se descolou das cotações internacionais do petróleo.

Nesta sexta (6), segundo a Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis), o preço médio do combustível nas refinarias brasileiras está R$ 1,27 por litro abaixo da paridade de importação, conceito usado pela Petrobras em sua política de preços.

"Esperamos que a Petrobras ajuste os preços para cima para garantir o abastecimento de combustíveis no Brasil", escreveram, em relatório divulgado nesta sexta, os analistas Luiz Carvalho, Matheus Enfeldt e Tasso Vasconcellos, do UBS BB.

ESTATAL NEGA RISCO DE ABASTECIMENTO DO MERCADO

Embora a garantia do suprimento seja um dos argumentos usados pela empresa para defender sua política de preços, o diretor de Comercialização e Logística da estatal, Cláudio Mastella, descartou risco de abastecimento de combustíveis ao mercado interno neste momento.

"O mercado está suprido tanto pelo refino brasileiros quanto por importações da Petrobras e de terceiros. Os estoques estão confortáveis", disse. Ele argumentou ainda que cada empresa do setor tem sua própria percepção do tamanho das defasagens em relação ao mercado internacional.

O presidente da Petrobras repetiu que a empresa não tem o objetivo de repassar ao consumidor brasileiro volatilidades momentâneas do mercado internacional. "Mas, claro, que em determinado momento reajustes devem ser feitos para preservar a saúde financeira da companhia."

Coelho foi indicado pelo governo para substituir o general Joaquim Silva e Luna, demitido após os mega-aumentos de preços anunciados em março para acompanhar a escalada do petróleo após o início da Guerra na Ucrânia.

Mas logo na sua posse defendeu a prática de preços internacionais. Nesta sexta, disse que o resultado do primeiro trimestre é "prova inequívoca de que a Petrobras é uma empresa da qual todos os nossos acionistas e brasileiros podem se orgulhar".

Na entrevista, ele disse que os mega-aumentos de março tiveram pouco impacto desempenho da empresa no primeiro trimestre. Beneficiada pela escalada das cotações do petróleo e pelo aumento da produção e importações, afirmou a área de exploração e produção respondeu por 80% do resultado.

O lucro R$ 44,5 bilhões foi o terceiro maior já registrado em um trimestre por uma companhia aberta brasileira. Vem logo depois do maior lucro anual da história da Petrobras, de R$ 106,6 bilhões, que levou a empresa a distribuir R$ 101,4 bilhões em dividendos.

Apesar das críticas do próprio presidente, a direção da empresa reforçou nesta sexta sua política de dividendos, que prevê a distribuição de 60% da diferença entre a geração de caixa e a previsão de gastos com investimentos.

"Vamos buscar sempre distribuir o máximo possível do que a gente gera de valor", disse Araújo aos analistas do mercado, que elogiaram o desempenho da empresa na teleconferência e em relatórios divulgados esta sexta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos