Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.662,74
    +1.014,94 (+3,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Não há medicamentos para tratamento precoce da COVID-19, segundo estudos

·2 minuto de leitura

Com a COVID-19 causando preocupações na população mundial, instituições concentraram esforços em dois possíveis aliados nessa batalha: as vacinas e os medicamentos. No entanto, no que diz respeito a tratamento precoce, os estudos apontam: simplesmente não existem medicamentos que cumpram essa finalidade.

Alguns dos medicamentos mais relacionados ao tratamento precoce contra a COVID-19 são hidroxicloroquina (indicado para tratamento da artrite reumatoide​, lúpus eritematoso, afeções dermatológicas e reumáticas), azitromicina (um antibiótico usado no tratamento de infecções do trato respiratório, ISTs, entre outras doenças), ivermectina (usada no tratamento de vários tipos de infestações por parasitas) e nitazoxanida (antiparasitário que combate helmintos e protozoários).

Segundo a Agência Pública, as farmácias brasileiras venderam mais de 52 milhões de comprimidos desses medicamentos que constituem o chamado “kit covid”, em um ano de pandemia. Ao todo, foram vendidos mais de 6,6 milhões de frascos e caixas desses quatro remédios de março de 2020 a março de 2021.

(Imagem: HalGatewood/Unsplash)
(Imagem: HalGatewood/Unsplash)

Mas até então, não há estudos que comprovem a eficácia desses remédios. Em março, um painel de especialistas internacionais da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que hidroxicloroquina não deve ser usada para prevenir a infecção de COVID-19. Os especialistas do Grupo de Desenvolvimento de Diretrizes da OMS analisaram os resultados de seis ensaios clínicos com mais de 6 mil participantes para concluir isso.

Esses estudos apontaram que a hidroxicloroquina "não teve efeito significativo algum sobre os níveis de morte e admissão hospitalar", e que não influencia a taxa de infecção, além de justamente aumentar o risco de efeitos adversos.

A OMS também não recomenda o uso de ivermectina no tratamento da COVID-19. No início de março, a organização chegou a descartar qualquer benefício no uso do remédio nesses casos, com base em estudos científicos rigorosos feitos em várias partes do mundo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos