Mercado abrirá em 32 mins
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,33
    +0,69 (+1,51%)
     
  • OURO

    1.842,90
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    19.061,74
    -195,84 (-1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,36
    -0,04 (-0,01%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.546,63
    +56,36 (+0,87%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.512,75
    +50,50 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2484
    +0,0124 (+0,20%)
     

Não faz sentido falar em privatização do SUS, diz secretária do PPI

·2 minuto de leitura
.
.

BRASÍLIA (Reuters) - A secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Martha Seillier, negou nesta quarta-feira que o decreto publicado pelo governo na véspera busque privatizar o Sistema Único de Saúde (SUS).

"Não faz sentido falar em privatização do SUS", afirmou ela à Reuters.

Seillier defendeu que as PPPs na área de saúde já existem no país e que o decreto prevê somente que o governo federal estude alternativas para apoiar os entes regionais a replicar o modelo.

No site do PPI, a equipe econômica cita o Hospital do Subúrbio em Salvador, na Bahia, como primeira concessão administrativa no setor de saúde do Brasil, tendo sido inaugurado em 2010.

Já o Ministério da Economia disse em nota que a gratuidade dos serviços será mantida no âmbito das PPPs na área de saúde.

O governo publicou no Diário Oficial da União de terça-feira decreto prevendo a elaboração de estudos de alternativas de parcerias com a iniciativa privada para a construção, modernização e operação de Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos Estados e municípios.

Desde então, o tema tem sido objeto de polêmica e de debates em redes sociais, com muitos apontando a iniciativa como uma espécie de pontapé à privatização do SUS.

Em post no Twitter, Seillier criticou mensagem que havia sido postada pelo deputado Rogério Correia (PT-MG) afirmando que o presidente Jair Bolsonaro estaria preparando a privatização do SUS em meio à pandemia com decreto que "tira do governo a obrigação constitucional de cuidar das brasileiras e dos brasileiros e joga a responsabilidade para a iniciativa privada".

"Não preciso nem explicar que é mentira né? No Brasil Decreto NÃO supera Lei NEM a Constituição! Uma pena um Deputado não entender a hierarquia das normas!", escreveu a secretária.

Correia apresentou no Congresso projeto para sustar o ato do presidente, afirmando que o decreto representa "a materialização dos interesses do setor privado na disputa pelos recursos públicos da saúde".

(Por Marcela Ayres)