Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.611,35
    +82,38 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,84
    -0,83 (-1,32%)
     
  • OURO

    1.795,90
    +17,50 (+0,98%)
     
  • BTC-USD

    56.213,49
    +26,70 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.290,94
    +27,97 (+2,22%)
     
  • S&P500

    4.148,45
    +13,51 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.986,86
    +165,56 (+0,49%)
     
  • FTSE

    6.908,69
    +48,82 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.817,00
    +22,75 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6923
    -0,0102 (-0,15%)
     

'Não existe um contra o outro' no Mercosul, afirma presidente uruguaio

·2 minuto de leitura
O presidente uruguaio, Luis Lacalle Pou

"Não existe um contra o outro" no Mercosul, disse nesta segunda-feira (29) o presidente uruguaio, Luis Lacalle Pou, dias depois da cúpula na qual manteve um forte contraponto com seu par argentino, Alberto Fernández, pela flexibilização do bloco.

"Não existe um contra o outro, pelo contrário, é o bem de todos. Se alguém acha que não é para o seu bem, que afrouxem um pouco a corda, que flexibilizem o Mercosul", expressou Lacalle aos jornalistas após tomar a primeira dose da vacina contra a covid-19.

Durante a cúpula de sexta-feira pelos 30 anos do bloco, que foi virtual pela pandemia de coronavírus, o presidente uruguaio afirmou que o Mercosul "não pode ser um obstáculo" que impeça o avanço comercial de seu país, ao que Fernández contestou, alegando que se a Argentina for considerada um obstáculo, "que peguem outro barco".

"Temos vocação para a integração regional. Temos vocação para que o Mercosul seja um trampolim e não um fardo ou um obstáculo", insistiu Lacalle nesta segunda.

O Mercosul "tem muito para oferecer ao mundo. Acredito que isso está fazendo falta. Que uruguaios, argentinos, brasileiros e paraguaios digam: 'Nós podemos ser importantes no cenário mundial".

"Somos a quinta região mais protecionista do mundo. Olhamos e vemos os monstros asiáticos gerando mais mercados, consumindo o que é produzido, não no Uruguai, na região! Então parece lógico que para o progresso dos nossos povos, para que haja trabalho, temos que nos abrir para o mundo", enfatizou o presidente.

No entanto, considerou "compreensível quando um país diz: 'isso não me convence". "Estão em seu legítimo direito e sua soberania", mas "não podemos pensar que nós ficamos presos só porque não convém a um país. Isso é o que estamos pedindo".

"Não pode ser nem Uruguai contra Argentina, nem Uruguai contra Brasil, nem Uruguai contra Paraguai. Vejamos no que estamos de acordo e avancemos", insistiu.

O presidente lembrou que no Uruguai se fala da flexibilização do Mercosul "pelo menos desde 2006", no governo de Tabaré Vázquez, que morreu no ano passado. "O jarro vai tanto para a fonte... que capaz de em algum termos sorte".

Lacalle disse que "não houve uma declaração do Mercosul porque o Uruguai insistia que a questão da flexibilização tinha que estar no páragrafo 12. E como isso não foi acordado, algum outro país disse 'se esse parágrafo não for, não há declaração".

O presidente não especificou de qual país veio essa oposição.

gv/mr/aa