Mercado fechado
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,23
    -1,03 (-1,45%)
     
  • OURO

    1.809,30
    -8,80 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    38.327,68
    -836,24 (-2,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    928,35
    -15,09 (-1,60%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    15.035,00
    +82,25 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1653
    +0,0212 (+0,35%)
     

Não dá para imaginar um cenário tranquilo para 2022, diz ex-presidente do BC

·7 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL, 02/10/2019 - o economista Ilan Goldfajn durante jantar da 50ª Convencao Anual da Conib. Coluna Monica Bergamo.( Foto: Greg Salibian/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL, 02/10/2019 - o economista Ilan Goldfajn durante jantar da 50ª Convencao Anual da Conib. Coluna Monica Bergamo.( Foto: Greg Salibian/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Se 2021 tende a ser um ano de recuperação, após os estragos provocados pela pandemia da Covid-19, o cenário para o ano que vem é preocupante, avalia Ilan Goldfajn, ex-presidente do Banco Central e atual responsável pelo conselho de administração do Credit Suisse.

Na visão do economista, com a disputa eleitoral no país, que promete ser acirrada, o Brasil vai ter de conviver com ruído interno --e o cenário internacional pode estar bem mais complicado do que agora.

Mesmo com o avanço de 1,2% no PIB (Produto Interno Bruto) no primeiro trimestre, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), tendo surpreendido a maior parte dos analistas, Ilan avalia que a recuperação vai demorar a ser percebida pela população, já que a retomada do emprego acontece com defasagem.

A demora em conseguir vacinas, diz, também postergou a recuperação do Brasil. "Para além dos novos problemas que estão sendo investigados pela CPI da Pandemia, ficou claro que o Brasil começou a vacinar com atraso e essa demora foi o que mais impactou na economia", afirma.

Ele também aponta que o Banco Central acerta ao iniciar um novo ciclo de alta dos juros para conter a alta de preços, embora o país ainda terá de conviver com uma inflação acima da meta até o ano que vem.

Folha - O resultado do PIB no primeiro trimestre surpreendeu positivamente os economistas. Podemos dizer que a recuperação é consistente?

Ilan Goldfajn - A recuperação está vindo mesmo, temos uma previsão de crescimento de 5,5% para a economia este ano, e o indicador mais importante de todos agora é o controle da pandemia. Os calendários de vacinação estão sendo antecipados de forma promissora em diferentes cidades e, caso continue assim, esse controle pode permitir uma continuidade da recuperação da economia.

A nova preocupação é com a variante delta do vírus, que está afetando muitos países e pode prejudicar o Brasil. No momento, como estamos tendo uma aceleração da vacinação, isso acaba reduzindo as incertezas. Para além dos novos problemas que estão sendo investigados pela CPI da Pandemia, ficou claro que o Brasil começou a vacinar com atraso e essa demora foi o que mais impactou na economia.

Há outros riscos no horizonte, também, e a gente precisa chegar até o fim do ano sem ter de fazer um racionamento de energia.

Folha - É preciso agir, então, para que a recuperação não seja um 'voo de galinha'?

Ilan Goldfajn - É importante que o governo adote as medidas necessárias para compensar a falta de chuvas, como o uso de usinas térmicas, para chegarmos ao fim de novembro com um risco menor de faltar luz. E o cenário internacional precisa continuar benigno.

Folha - Por muito tempo, o governo trabalhou com o falso dilema entre resolver a questão sanitária ou salvar a economia. Essa escolha nunca existiu?

Ilan Goldfajn - Hoje está claro para todo o mundo que não há uma contradição entre economia e saúde, pelo contrário. Quanto mais rápido se resolver a questão sanitária, mais rápido a economia irá se recuperar. É uma pena que tenha levado quase um ano para que se chegasse a esse consenso.

Folha - Como avalia a proposta de reforma tributária do governo?

Ilan Goldfajn - A proposta acabou saindo sem a calibragem correta e com algumas distorções. Na verdade, ela acabou sendo posta para aumentar a carga [tributária] e compensar aumentos de despesas, como a do novo Bolsa Família. Esses objetivos estão minando a proposta, sendo que a intenção era aliviar os impostos dos mais pobres e que o imposto se tornasse mais igualitário. Isso é louvável e deve ser perseguido, mas da forma como a proposta foi colocada, ela mantém distorções.

A tributação de dividendos foi equacionada para aumentar a carga, mas o que se falava era em reduzir para a empresa e aumentar os dividendos. A reforma tributária deveria ser neutra, reduzir as complexidades e tornar o sistema de tributação mais simples. Não adianta que as reformas saiam, seja tributária ou administrativa, elas precisam ser bem feitas.

Folha - Olhando para as mais recentes pesquisas eleitorais, o mercado já precifica uma possível volta do ex-presidente Lula [PT] ao poder?

Ilan Goldfajn - O mercado tem a mania de ser otimista, ele quer ver que a coisa irá funcionar, com quem quer que seja eleito. Que a economia tenha espaço para se recuperar. E, muitas vezes, a coisa não é bem assim. Normalmente, o foco do mercado é mais de curto prazo. tem de chegar perto das eleições para começar a ser precificado e normalmente isso acontece no próprio ano da eleição, por isso a minha preocupação com o ano que vem.

Vamos ter uma eleição intensa, com muita polarização e discussões; não consigo ver um ambiente tranquilo para o ano que vem. 2021 é um ano de alívio e recuperação, mas quanto mais perto chegamos de 2022, mais os riscos vão aumentando. O ano que vem me preocupa muito. Com a disputa pelos próximos quatro anos de governo, o Brasil vai ter muito ruído interno e o cenário internacional pode estar bem diferente do que está agora. Essa recuperação no mundo, que tem sido boa este ano, pode fraquejar. E a melhora dos mercados frear.

Folha - Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro [sem partido] admitiu que nunca houve uma 'caixa-preta' no BNDES, uma das principais narrativas de sua campanha em 2018. Como avaliar esse recuo no discurso do presidente?

Ilan Goldfajn - Temos de tomar muito cuidado com as instituições, elas precisam ser cobradas e é preciso deixar claro o papel do BNDES. Até acho que o banco está encontrando o seu caminho e que a nova diretoria está fazendo um trabalho espetacular. Agora, a gente tem de ser cuidadoso para não tornar incerta a vida de quem tem de tomar decisões públicas. É preciso ter um balanço entre cobrar a instituição, mas deixando que o BNDES atue e que o funcionário público trabalhe .

Folha - A inflação tem assustado mais do que se esperava este ano. Já está dado que energia e combustível vão impactar no bolso do consumidor este ano e talvez no ano que vem também?

Ilan Goldfajn - A inflação vai ficar alta este ano, entre 6,5% e 7%, e isso vai ter consequências no ano que vem. Mesmo que tudo dê certo, ela deve ficar acima da meta. A inflação no Brasil não cai de um dia para o outro, o câmbio não faz milagre e a expectativa não melhora tão rapidamente. Ela subiu e, devagar, vai voltando quando o trabalho certo é feito pelo Banco Central, com os juros subindo.

Folha - Apesar dessa recuperação já estar acontecendo, a maior parte da população ainda não parece sentir esses efeitos, com desemprego e inflação ainda altos. Vai demorar muito para que os efeitos da retomada sejam sentidos por mais pessoas?

Ilan Goldfajn - Este ano, o mercado de trabalho pode continuar reagindo. Mas temos tanta burocracia e custos elevados para contratação, que o emprego demora a reagir, mesmo com a recuperação da economia. O que é possível fazer é reduzir o custo para produzir e investir no Brasil, para que a reação ocorra de forma mais rápida.

A tendência é que o investimento estrangeiro volte com mais força ao país? O Brasil ainda sofre muito por questões de imagem. Mas temos espaço para melhorar essa imagem. Os recursos estão voltando, pois o cenário internacional é positivo, mas é preciso melhorar a imagem internacional do país na questão ambiental, na gestão da pandemia e na estabilidade de regras e das instituições democráticas. Tudo isso é muito relevante para atrair investimentos no futuro.

RAIO-X

Ilan Goldfajn, 55

É economista nascido em Israel e radicado no Brasil, com doutorado pelo MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts). Foi presidente do Banco Central entre 2016 e 2019, durante o governo de Michel Temer (MDB), e atualmente é presidente do conselho de administração do Credit Suisse Galeria Alimentos pressionaram inflação em 2020 Alta do dólar e demanda externa puxaram preços ao longo do ano https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1686646010514450-alimentos-pressionaram-inflacao-em-2020 ***

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos