Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.307,68
    +775,00 (+1,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Não confundam perfil de moderação com inércia e tolerância, diz presidente do Senado

·1 minuto de leitura
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta sexta-feira que não se deve confundir o perfil de moderação em políticos mineiros com inércia e intolerância.

"Os mineiros como políticos têm o seu perfil, o perfil de moderação, de ponderação, de busca de consensos, de conciliação, mas não confundam esse perfil mineiro de se fazer política com inércia ou com tolerância em relação a aquilo que nós não transigimos", disse Pacheco em evento na Universidade Federal de Minas Gerais que contou com a presença do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux.

"Porque quem objetivar mitigar o Estado de Direito ou estabelecer retrocesso à democracia terá o pulso firme e forte da política de Minas Gerais para resistir", acrescentou.

Pacheco afirmou que, embora pareça óbvio dizer, é preciso praticar o exercício da democracia.

Pacheco disse que a medida provisória que alterava o Marco Civil da Internet tratava de um assunto que não era possível se analisar por MP e que sua devolução ao Executivo se traduz em segurança jurídica.

Segundo ele, tem de se conter os "excessos" de medidas provisórias sobretudo porque o protagonismo na formulação das leis deve ser do Poder Legislativo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos