Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.586,82
    +884,31 (+1,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Não confiem em dicas sobre ações das redes sociais, alerta regulador da UE a investidores do varejo

Huw Jones
·1 minuto de leitura

Por Huw Jones

LONDRES (Reuters) - Os investidores de varejo devem evitar o uso de informações não verificadas das mídias sociais para comprar e vender ações, disse o órgão regulador dos mercados da União Europeia nesta quarta-feira.

Investidores de varejo que seguiam o fórum do Reddit WallStreetBets nos Estados Unidos entraram com força na GameStop no mês passado, fazendo com que as ações da varejista disparassem às custas de investidores grandes que apostavam contra a empresa, alarmando a Europa.

Embora as regras e estruturas do mercado sejam diferentes na UE, não se pode descartar que circunstâncias semelhantes também possam ocorrer no bloco, disse a Autoridade Europeia de Valores Mobiliários e Mercados (Esma, na sigla em inglês) em comunicado.

Já há sinais de que mais investidores de varejo estão comprando nos mercados de ações europeus.

A Esma disse que o aumento da participação de investidores de varejo na Europa está ajudando a aprofundar o mercado de capitais da UE, mas eles enfrentam riscos significativos ao comprar ações que são muito voláteis, disse o órgão regulador.

Os investidores devem primeiro reunir informações de fontes confiáveis e saber quantas perdas podem suportar, disse a Esma.