Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.751,29
    +1.132,31 (+3,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Não compre no primeiro aumento dos juros, recomenda BofA

·1 min de leitura

(Bloomberg) -- O velho ditado do mercado de renda variável que recomenda comprar no primeiro aumento dos juros e vender no penúltimo pode não funcionar desta vez com a inflação fora de controle, de acordo com o Bank of America.

Most Read from Bloomberg

“Pequenas rachaduras” já apareciam nas ações de empresas de tecnologia com grande capitalização, o epicentro de um “bull market” de 13 anos, antes mesmo de o aperto começar, disse o estrategista-chefe de investimentos do BofA, Michael Hartnett, em relatório. Ele mantém uma visão baixista até que o posicionamento de investidores “mostre uma capitulação total”, uma onda vendedora mais forte, ou que um evento de crédito em Wall Street leve bancos centrais a anunciarem uma reversão do aperto monetário.

O Federal Reserve sinalizou um giro da política esta semana e disse que poderia elevar os juros três vezes em 2022, passo que gerou volatilidade nos mercados acionários e levou à venda de ações de tecnologia. Um dia depois, o Banco da Inglaterra subiu os juros pela primeira vez desde o início da pandemia, inaugurando um ciclo de aperto monetário entre os principais bancos centrais.

De acordo com Hartnett, a inflação sempre precede recessões, e é como uma febre muito alta que “deve ser reduzida por meio do aperto monetário ou recessão para que o corpo volte ao normal e garanta uma boa saúde futura”.

Estrategistas do Barclays têm uma visão um pouco diferente. Aumentos dos juros não encerrariam mercados altistas, mas, com a redução da liquidez dos bancox centrais, há menos espuma especulativa e mais volatilidade, destacaram estrategistas liderados por Emmanuel Cau em nota.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos