Mercado fechado

Não me arrependo, diz assessor de Guedes denunciado pelo MPF

FÁBIO PUPO
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 21.06.2018 - O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, defende a modernização da máquina pública, em seu gabinete. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O assessor especial do ministro Paulo Guedes (Economia) Esteves Colnago afirma não se arrepender de votar pelo investimento de mais de R$ 1 bilhão feito pela Funcef (fundo de pensão dos funcionários da Caixa) na Sete Brasil.

A decisão tomada por ele e pelos demais então conselheiros da entidade em 2012 gerou uma perda de R$ 4,4 bilhões, de acordo com acusação feita pelo MPF (Ministério Público Federal).

Por causa da decisão, Colnago e mais 28 pessoas foram denunciadas à Justiça pelos procuradores sob a acusação de gestão temerária de instituição financeira. De acordo com o MPF, eles decidiram pelo investimento sem embasamento técnico, “com negligência assustadora” e como se estivessem tratando de “um tema qualquer”.

Formada durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, a Sete Brasil começou sua queda ainda na fase inicial da Lava Jato, no fim de 2015, por causa das denúncias sofridas pelos executivos da empresa na Operação Lava Jato e pela queda da cotação do petróleo na época.

À reportagem Colnago se defendeu da acusação. Ele afirma que o voto pelo investimento não foi um erro, considerando as informações que tinha na época. Ele, que chegou a chorar durante a entrevista, disse que conversou com o ministro após a denúncia do MPF e que Guedes teria o orientado a ficar “tranquilo”.

*

Pergunta - Como foi a reunião do conselho que decidiu pelo investimento?

Esteves Colnago - A reunião foi no dia 16 de maio de 2012. A pauta não era para manter ou aumentar a participação. Era para sermos diluídos. Então a Funcef ia manter os R$ 350 milhões [já investidos na Sete Brasil em um momento anterior], mas não aportar mais recursos. Era a recomendação da diretoria de participações.

Quando chegou a reunião do conselho, a pauta mudou. Porque a diretoria [nas vésperas da reunião do conselho] teve uma reunião entre ela, e os demais diretores se contrapuseram àquele entendimento e passaram a considerar que o investimento era bom. Então o diretor de participações mudou o voto e acompanhou os demais. Isso foi comunicado na reunião do conselho.


Como o senhor reagiu?

EC - Eu falava: “Olha, o voto que veio era para ser diluído e mudou completamente, precisamos entender um pouco melhor a situação, por que não marcamos uma nova reunião?”. E aí surgiu uma nova informação. No dia 21 de maio, na segunda-feira seguinte, haveria [o prazo final para] o exercício de preferência [para exercer ou não o aporte]. Eles entendiam que não havia como adiar, caso contrário seríamos diluídos, e disseram que era um ótimo investimento.


Então eles apresentaram a proposta de investir de última hora, o que parece se encaixar com a versão do Ministério Público Federal de que não houve debate aprofundado sobre o investimento...

EC - O debate houve. Você tinha os pareceres dizendo que o investimento era bom. Vamos supor que, se pela minha ação, não exercêssemos o direito de preferência e aí o negócio dá certo. Poderiam falar: “Você causou um prejuízo à Funcef por ter sido muito conservador”. Até porque houve três diretores durante a reunião falando que aquilo tinha boas perspectivas. Eu poderia ser acusado do outro lado. O cenário era muito positivo.


Mas poderia ter sido mais bem conduzido?

EC - Foi o melhor jeito operacionalmente falando? Não. O ideal era receber sete dias antes falando da recomendação de exercer o direito de preferência. Você teria todo um embasamento que daria um conforto melhor.

O investimento era bom, aparentemente era bom. Todo o mundo falando que tinha que entrar. Mas houve uma queda muito forte no preço do petróleo, de US$ 100 o barril para US$ 30. Teve a Operação Lava Jato, que maculou a imagem da Petrobras e acionou regras de compliance [normas de conduta] dos bancos, que não tinham mais como emprestar. Os pilares do projeto ruíram. Deixaram de existir.


O Ministério Público Federal diz que já havia sinais de atraso na entrega das sondas na época da reunião.

EC - Essa informação não era do conhecimento dos conselheiros naquele momento. O Ministério Público Federal fala que estava atrasado, mas ninguém sabia disso.

Na época, tive o trabalho de olhar os atrasos de plataformas mundo afora. O plano estratégico da Petrobras fala de atrasos nas entregas acontecendo de forma aparentemente normal. Companhias multinacionais que estavam acostumadas a construir sondas para a Petrobras atrasavam.


Houve uma falha por parte da diretoria? Houve embasamento suficiente?

EC - Entendo que houve um embasamento. Foi falado das perspectivas do setor de petróleo. Isso foi falado na reunião, foi trazido. Mas o ideal seria sete dias antes já ter dos diretores essa recomendação ao conselheiros. De cinco a sete dias antes. Não chega a estar no estatuto, mas são as boas práticas [de conselhos].


A defesa pelo investimento foi feita só oralmente?

EC - Teve um embasamento durante a reunião e na exposição dos diretores. Não teve muita razão para duvidar ou questionar. Eram três diretores que foram incisivos. A decisão foi unânime. O único que estava ali [questionando] era eu. E aí eles falaram: “A gente faz uma apresentação para você”. E eu falei que não precisava porque a decisão já estava sendo tomada. Falei: “O desconforto que vocês estão me causando já existe”.


O senhor sentiu pressão para que o voto fosse naquele sentido?

EC - É natural nos conselhos que se busque a unanimidade. Eles, no final, falaram para eu dar um voto de confiança. E eu dei um voto de confiança.


O senhor acha que foi um erro votar pelo investimento?

EC - Não. Naquele momento, com as informações que tinha, sinceramente não sei se teria outra posição a dar. Hoje é muito fácil olhar para trás e falar: “Puxa, não deveria ter feito”. Mas naquele momento as informações que eu tinha não me levavam a tomar outra decisão.


Hoje, olhando para trás, o senhor se arrepende de ter votado daquele jeito?

EC - Não me arrependo. Deu errado. Podia ter dado muito certo. Mas deu errado. É difícil. Não, não me arrependo. Você ia imaginar que a Petrobras tava cheia de coisa lá dentro? Nunca. Que o petróleo ia despencar? Os grandes bancos estavam entrando, não só os públicos.


O senhor acredita que existiu no processo algo além da não constatação do risco? Como corrupção?

EC - No conselho, não. Não tinha nem espaço para isso. A reunião é toda gravada. Agora, depois de tudo isso que aconteceu, eu não sei. Mas no conselho, não. Por mim, de jeito nenhum. Eu tenho muita tranquilidade pelos meus atos.


ESTEVES COLNAGO, 46

Mestre em economia pela UnB (Universidade de Brasília) e especialista em contabilidade pública. Foi ministro do Planejamento no governo Temer. Exerceu as funções de diretor de programa e secretário-executivo-adjunto do Ministério do Planejamento. Foi analista na Secretaria do Tesouro Nacional. Na Fazenda, exerceu diferentes funções de 2004 a 2017, de coordenador a secretário-executivo-adjunto. É analista de carreira do BC desde 1998.