Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,47
    +0,25 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.817,30
    +2,10 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    16.958,39
    -194,76 (-1,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,44
    -4,71 (-1,16%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.037,50
    -25,25 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4682
    +0,0717 (+1,33%)
     

Não é o Lítio? Falta de chuva é apontada como causa da seca em salar chileno

A mineração do lítio, material importante para a fabricação de baterias de eletroeletrônicos, é frequentemente apontada como a causadora da escassez de água no Salar de Atacama. Estudos recentes, porém, indicam que o impacto da extração do minério é menor do que o da falta de chuva.

A região dos Andes entre Chile, Argentina e Bolívia contém a maior parte da reserva mundial de lítio. O material já está em crescente demanda e espera-se que ela atinja 40 vezes o nível atual nos próximos 20 anos: o lítio é um componente chave na fabricação de baterias.

Piscinas de extração de lítio no Salar de Atacama (Imagem: Lauren Dauphin/NASA Earth Observatory)
Piscinas de extração de lítio no Salar de Atacama (Imagem: Lauren Dauphin/NASA Earth Observatory)

A atividade mineradora, frequentemente apontada como culpada pela falta d’água na região, bombeia milhões de litros de água hipersalina do subsolo. A evaporação dessa água deixa para trás o lítio e outros materiais, como o potássio. Essa água, porém, não é potável. A única água doce usada no processo é para a lavagem de equipamentos, afirmam as empresas de mineração da região.

De acordo com Brendan Moran, pesquisador da Universidade de Massachusetts Amherst, a ligação entre o lítio e a falta d’água não é direta e outros fatores devem ser levados em conta. Entre eles, os outros usos e a seca prolongada são fatores a serem observados. Cerca de 59% do uso de água doce na região é para irrigação, enquanto o lítio demanda 9%.

A água doce superficial também é mais afetada pelo regime de chuvas que a água subterrânea. A pesquisa datou isótopos de oxigênio e hidrogênio na água doce da superfície e na água salgada do subsolo: enquanto a potável é proveniente de novas precipitações, a outra tem pelo menos 65 anos.

Flamingos dos Andes são considerados vulneráveis aos impactos da mineração na região (Imagem: Thomas Griggs/Unsplash)
Flamingos dos Andes são considerados vulneráveis aos impactos da mineração na região (Imagem: Thomas Griggs/Unsplash)

Ainda que realmente a mineral não seja a causa, seus impactos preocupam pesquisadores e a comunidade indígena local. Cristina Dorador, da Universidade de Antofagasta, diz que a extração de lítio tem impactos em todo o ecossistema da região com suas estradas, ruídos, poeira e o risco de contaminação da água potável por outras substâncias. Segundo ela, as empresas “veem a área como uma reserva de minerais, não como um ecossistema a ser protegido.”

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: