Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.607,30
    +1.574,19 (+2,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Não é mais maio! Saúde prevê grupos prioritários vacinados até setembro

Nathan Vieira
·2 minuto de leitura

Neste ano, a vacina contra COVID-19 já está nos primeiros passos de se tornar uma realidade para a população brasileira, uma vez que os grupos prioritários já começaram a ser imunizados, nas primeiras fases do Plano Nacional de Imunização (PNI). Na última quarta-feira (21), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, fez uma projeção: todos os grupos prioritários podem ser imunizados contra antes de setembro.

Em março, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello disse que metade da população apta a receber a vacina seria imunizada no primeiro semestre, e que o restante estaria apto até o fim do ano. No entanto, a projeção de Queiroga apresenta diferenças. O ministro atribuiu as mudanças nos calendários de entrega de vacina e de imunização aos atrasos de fornecedores.

"O processo de vacinação do Brasil tem ocorrido de forma cada vez mais célere. Se continuar nesse ritmo, até setembro, pode-se atingir a imunização da população prevista no PNI. Nosso objetivo é que isso ocorra antes", projetou o ministro, por meio de um comunicado.

Queiroga ainda apontou que o consórcio Covax Facility (iniciativa que visa impulsionar o desenvolvimento de vacinas através de uma aliança global com mais de 170 nações) "não entrega o que foi acordado", e que houve atrasos na chegada de insumos para a fabricação das doses no Butantan e na Fiocruz.

Ministério da Saúde previa grupos prioritários vacinados até maio deste ano. Nova previsão aponta setembro (Imagem: twenty20photos/Envato)
Ministério da Saúde previa grupos prioritários vacinados até maio deste ano. Nova previsão aponta setembro (Imagem: twenty20photos/Envato)

Na ocasião, o Ministério da Saúde também confirmou a negociação de mais 100 milhões de doses da vacina da Pfizer para 2022. Queiroga também garantiu que a fase mais crítica da escassez de medicamentos usados na intubação de pacientes em UTI e de oxigênio medicinal está perto de acabar. Para ele, o Brasil vive uma "estabilização (da doença), embora com número ainda elevado de óbitos", com direito a tendência de queda de óbitos e redução hospitalar em algumas regiões do País.

Segundo o ministro, haverá uma doações de medicamentos de intubação da indústria, e a Pasta busca a incorporação do coquetel REGN-COV2 à rede pública, algo que ainda está sendo analisado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec). Na terça (20), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial deste tratamento, constituído pelos anticorpos produzidos em laboratório casirivimabe e imdevimabe.

No dia 17, a FDA (Food and Drug Administration, uma agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA) também emitiu uma autorização de uso emergencial para casirivimabe e imdevimabe.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: