Mercado fechará em 4 h 52 min
  • BOVESPA

    109.993,43
    +1.505,55 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.827,62
    +309,32 (+0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,57
    -0,71 (-0,64%)
     
  • OURO

    1.852,20
    +10,10 (+0,55%)
     
  • BTC-USD

    30.345,31
    +425,67 (+1,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    680,00
    +5,12 (+0,76%)
     
  • S&P500

    3.958,10
    +56,74 (+1,45%)
     
  • DOW JONES

    31.853,12
    +591,22 (+1,89%)
     
  • FTSE

    7.495,40
    +105,42 (+1,43%)
     
  • HANG SENG

    20.470,06
    -247,18 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    11.871,00
    +30,25 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1191
    -0,0337 (-0,65%)
     

Mutação genética dos Chihuahua já existia em lobos há 50 mil anos; entenda

·2 min de leitura

Em um estudo publicado na revista científica Current Biology, pesquisadores do National Institutes of Health (NIH) apontaram que uma das principais mutações genéticas responsáveis ​​pelo pequeno tamanho de determinadas raças de cães, como Chihuahua, já existiam em lobos há mais de 50 mil anos.

A mutação está presente no DNA que regula a expressão de um gene do fator de crescimento semelhante à insulina 1 (IGF1). Depois de consultar cientistas na Inglaterra e na Alemanha, os pesquisadores identificaram essa mutação em fósseis de lobos (Canis lupus campestris) que viveram há 54 mil anos.

Os cientistas achavam que os cães começaram grandes e se tornaram menores cerca de 20 mil anos atrás, quando foram domesticados, mas essa descoberta apresenta a possibilidade de uma nova narrativa evolutiva.

Mutação genética responsável pelo tamanho pequeno dos Chihuahua já existia em lobos há 50 mil anos (Imagem: twenty20photos/envato)
Mutação genética responsável pelo tamanho pequeno dos Chihuahua já existia em lobos há 50 mil anos (Imagem: twenty20photos/envato)

O mais interessante de tudo é que essa descoberta não se limita apenas a cães e lobos, mas também coiotes, chacais e outros membros da família dos canídeos. “As coisas que achávamos muito modernas são, na verdade, muito antigas”, afirma uma das responsáveis pelo estudo, a geneticista Elaine Ostrander, em meio a uma entrevista ao EurekAlert.

No entanto, esse gene IGF1 não é o único que afeta o tamanho do corpo de um cão: existem pelo menos 20 genes conhecidos codificam o tamanho do corpo, mas esse gene em particular tem uma influência muito relevante, uma vez que é responsável por cerca de 15% da variação do tamanho do corpo entre as raças.

Parece pouco, uma vez que os humanos possuem centenas de genes que afetam o tamanho, mas é necessário refletir que a maioria das raças de cães existe há apenas algumas centenas de anos. Após a descoberta da mutação genética, os pesquisadores pretendem continuar os estudos para entender melhor como os genes funcionam juntos para determinar o tamanho exato de cada raça.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos