Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.496,34
    +421,72 (+1,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Musk planeja cortar empregos para aumentar lucros do Twitter

Elon Musk já planeja uma série de mudanças na rede social assim que assumir a liderança da empresa. (Eric Risberg/AP Photo)
Elon Musk já planeja uma série de mudanças na rede social assim que assumir a liderança da empresa. (Eric Risberg/AP Photo)
  • Possíveis mudanças na rede foram apresentados a banqueiros;

  • Musk pretende ainda reduzir pagamentos a executivos e conselheiro;

  • CEO da rede disse que vai continuar com “trabalho de mudar o Twitter para melhor”.

O CEO da Tesla, Elon Musk, já está planejando seus primeiros passos como novo dono do Twitter. Durante discussões com bancos que financiam parte da compra da rede social, o bilionário afirmou que, quando assumir a liderança da empresa, vai cortar empregos para melhorar os resultados financeiros do Twitter.

O principal alvo dos cortes de Musk é a área de regras e políticas do Twitter. Se definindo como um ferrenho defensor da liberdade de expressão, Musk já criticou publicamente diversas vezes o chefe de políticas do Twitter, Vijaya Gadde.

Aos bancos que estão financiando sua oferta de US$ 44 bilhões (cerca de R$ 215 bilhões) pelo Twitter, o empresário disse ainda que iria reduzir pagamentos a executivos e conselheiros da plataforma, para reduzir custos, e que desenvolveria novos mecanismos para monetizar tuítes, segundo relato à agência Reuters.

Os planos foram apresentados aos banqueiros em sua estratégia para convencê-los a dar o crédito necessário à operação. O aval para o financiamento foi fundamental para o conselho do Twitter concordar com a proposta de Musk.

Musk acabou obtendo US$ 13 bilhões (R$ 63,6 bi) em empréstimos lastreados em suas ações do Twitter (ele já detém uma participação de 9% na plataforma) e de US$ 12,5 bilhões (R$ 61 bi) garantidas por seus papéis na Tesla, sua empresa de carros elétricos. O valor restante será pago com recursos próprios, de sua fortuna pessoal, estimada em US$ 270 bilhões (R$ 1,3 trilhão).

O CEO do Twitter, Parag Agrawal, disse que "apesar do barulho" vindo de Musk após sua aquisição bem-sucedida da empresa, ele e toda a equipe continuarão a fazer o trabalho de mudar o Twitter para melhor.

"Aceitei este trabalho para mudar o Twitter para melhor, corrigir o curso onde precisamos e fortalecer o serviço. Orgulhoso de nosso pessoal que continua fazendo o trabalho com foco e urgência, apesar do barulho", postou ele na quinta-feira (28).

De acordo com o Business Standard, o CEO tentou ainda tranquilizar os funcionários da rede. "Assim que o negócio for fechado, diferentes decisões podem ser tomadas. Para que possamos entender isso, encontraremos uma maneira de fazer com que Elon converse com todos vocês o mais rápido possível", disse ele.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos