Mercado abrirá em 1 h 36 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,44
    -0,02 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.777,50
    +10,70 (+0,61%)
     
  • BTC-USD

    60.295,75
    -2.192,44 (-3,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.337,03
    -43,91 (-3,18%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.015,22
    +31,72 (+0,45%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.016,00
    +2,00 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7273
    +0,0062 (+0,09%)
     

Musk é condenado por ameaçar funcionários da Tesla pelo Twitter

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Elon Musk wears a protective mask as he arrives to attend a meeting with the leadership of the conservative CDU/CSU parliamentary group, in Berlin, Germany September 2, 2020. Tobias Schwarz/Pool via REUTERS
É a segunda vez que Musk entra em conflito com as regulamentações federais por causa do Twitter
  • Além do tuíte, um funcionário sindicalista foi demitido

  • Musk vai ter que apagar publicação

  • É a segunda vez que Musk tem problemas por causa do Twitter

O CEO da Tesla, Elon Musk, foi condenado pela agência federal National Labor Relations Board (NLRB, na sigla em inglês) por ameaçar funcionários pelo Twitter. O concelho decidiu que um tuíte que Musk fez em maio de 2018 ameaçava ilegalmente os funcionários se eles escolhessem ser representados pelo sindicato United Auto Workers (UAW).

Além da mensagem, Musk demitiu, em 2017, um sindicalista da empresa. Como parte da decisão, o NLRB determinou que Musk removesse o tuíte ofensivo e oferecesse um emprego de volta ao funcionário demitido, Richard Ortiz, nas próximas duas semanas. 

A Tesla também foi condenada a pagar Ortiz por “qualquer perda de receita” e “quaisquer consequências fiscais adversas” que resultaram de sua demissão. As informações foram reveladas pela Associated Press.

Musk tuitou em 20 de maio de 2018: “Nada impede a equipe da Tesla em nossa fábrica de carros de votar no sindicato. Poderia fazer isso amanhã se quisessem. Mas por que pagar quotas sindicais e abrir mão das opções de ações em troca de nada? Nosso recorde de segurança é 2 vezes melhor do que quando a fábrica era UAW e todos já recebem assistência médica”.

Conflito entre Tesla e sindicatos

Segundo a decisão, a Tesla também deve publicar um aviso abordando práticas trabalhistas injustas em sua fábrica em Fremont, Califórnia (EUA), e um aviso sobre o Twitter que foi condenado em todas as suas instalações nos EUA.

O sindicato, que estava tentando organizar a fábrica de 10 mil trabalhadores em Fremont, considerou a ordem uma grande vitória para os trabalhadores que têm a coragem de enfrentar empresas como a Tesla. 

A vice-presidente, Cindy Estrada, disse em um comunicado que o sistema "atualmente está fortemente empilhado a favor de empregadores como a Tesla, que não têm escrúpulos em violar a lei". Em sua decisão, o concelho concordou com um juiz de direito administrativo que condenou a Tesla em setembro de 2019.

É a segunda vez que Musk entra em conflito com as regulamentações federais por causa do Twitter. Em setembro de 2018, Musk e Tesla concordaram em pagar US$ 20 milhões (R$ 115 milhões) e fazer concessões para resolver um processo da Comissão de Valores Mobiliários, que alegou que Musk enganou investidores com declarações sobre um plano de abrir o capital da empresa.