Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,24 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.816,70
    -5,50 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    39.472,16
    -911,62 (-2,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    951,68
    -9,21 (-0,96%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    14.970,75
    +18,00 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1197
    -0,0683 (-1,10%)
     

Museus de arte da Itália reabrem sob olhar atento do big data

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Enquanto museus e galerias da Itália dão as boas-vindas aos turistas e tentam recuperar parte dos 190 milhões de euros (US$ 225 milhões) em receita perdida no ano passado, um novo projeto de dados pode ajudar curadores a entender quais pinturas e esculturas conseguirão atrair mais atenção.

Uma equipe de pesquisa da agência italiana para novas tecnologias ENEA desenvolveu um sistema baseado em dispositivos que podem calcular por quanto tempo e quão perto os visitantes de museus e galerias observam uma determinada obra de arte.

Usando câmeras posicionadas perto da obra de arte, o sistema ShareArt absorve dados sobre o número de observadores e seu comportamento enquanto olham para uma pintura, escultura ou artefato, incluindo o tempo decorrido e a distância de observação.

Isso poderia ajudar a definir o “valor de atração” de obras de arte específicas, levando a mudanças no layout de museus e galerias e na programação de exposições, segundo os pesquisadores da ENEA Stefano Ferriani, Giuseppe Marghella, Simonetta Pagnutti e Riccardo Scipinotti.

Embora o sistema originalmente concebido por Scipinotti remonte a 2016, só foi implementado para testes ao vivo nas últimas semanas, após uma decisão do governo de reabrir totalmente museus e galerias que foram fechados devido à pandemia.

Quatorze aparelhos ShareArt estão sendo testados em um projeto conjunto com o Istituzione Bologna Musei, oferecendo aos pesquisadores a chance de experimentar sua tecnologia em exposições com uma ampla gama de obras de arte de várias formas, períodos e tamanhos, sem comprometer a privacidade dos observadores.

“Graças à simples elaboração de dados, o olhar de um observador pode ser traduzido em um gráfico”, disse Ferriani em entrevista. “Podemos detectar onde a maior parte da atenção das pessoas está concentrada.”

Olhando para “São Sebastião Auxiliado por Santa Irene”, de Trophime Bigot, por exemplo, “percebemos que os observadores tendiam a se concentrar não no centro da composição, mas ligeiramente à direita do rosto do santo, graças à interação de luz e sombra criada pelo pincel do artista”.

O ShareArt também rastreia quantos usuários param diante de uma obra de arte e por quanto tempo a observam. Poucas obras mantêm os visitantes de museus ou galerias “grudados” no local por mais de 15 segundos, disseram os pesquisadores, com o tempo médio de observação de apenas 4 a 5 segundos.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos