Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.339,08
    +612,43 (+1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Museu da Língua Portuguesa é reinaugurado com presidente de Portugal, mas sem Bolsonaro

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mais de cinco anos depois de ser consumido por um incêndio que matou um bombeiro civil, em dezembro de 2015, o Museu da Língua Portuguesa, no centro de São Paulo, foi reinaugurado em cerimônia exclusiva para convidados neste sábado (31).

Estiveram presentes o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o secretário estadual de Cultura, Sérgio Sá Leitão, e o prefeito da capital, Ricardo Nunes (MDB).

Ainda participaram da solenidade os ex-presidentes Michel Temer e Fernando Henrique Cardoso -todos os ex-chefes do Executivo ainda vivos foram convidados, além do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que não se manifestou sobre o evento.

"Convidamos o presidente Jair Bolsonaro, que infelizmente preferiu passear de motocicleta em Presidente Prudente", alfinetou Doria, referindo-se a mais um ato com motoqueiros feito pelo presidente, desta vez no interior de São Paulo, neste sábado.

O saguão do museu comportava também autoridades de países lusófonos, como o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e o de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.

O local foi homenageado com a Ordem de Camões pelo presidente português. "A língua é uma alma feita de milhões de almas. Aqui viemos para dizer que é possível materializar o imaterial" disse ele.

Fafá de Belém, com vestido amarelo e joias esverdeadas, foi convidada para entoar o hino nacional na reabertura.

Ao custo de R$ 85,8 milhões, a reconstrução ficou a cargo do governo paulista e da Fundação Roberto Marinho. A volta estava marcada para 2020, mas foi adiada. O público poderá visitar a partir deste domingo (1º).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos