Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,10
    +0,95 (+1,19%)
     
  • OURO

    1.929,70
    -12,90 (-0,66%)
     
  • BTC-USD

    23.070,36
    -332,28 (-1,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,89
    -3,30 (-0,63%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.566,78
    +522,13 (+2,37%)
     
  • NIKKEI

    27.362,75
    -32,26 (-0,12%)
     
  • NASDAQ

    12.060,50
    +187,25 (+1,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5209
    -0,0179 (-0,32%)
     

Mundo toma medidas de proteção ante propagação da Covid na China

Países com hubs importantes, como Reino Unido e França, decidiram, nesta sexta-feira (30), exigir testes de covid dos viajantes procedentes da China, devido a preocupações consideradas compreensíveis pela OMS diante da nova onda da pandemia no gigante asiático.

Espanha, Coreia do Sul e Israel também anunciaram medidas semelhantes às tomadas em dias anteriores por Estados Unidos, Itália, Japão, Índia e Taiwan, entre outros importantes destinos de negócios e lazer.

As decisões foram aceleradas pela rápida propagação da covid-19 na China desde o começo do mês, quando o país suspendeu repentinamente as restrições sanitárias.

Tanto o Reino Unido quanto a França indicaram que irão exigir dos viajantes procedentes da China um teste de covid negativo antes da sua entrada. Outros testes aleatórios serão realizados na França após o pouso, e os testes positivos serão sequenciados, a fim de detectar possíveis novas variantes do vírus, informou um funcionário do governo em entrevista coletiva.

O Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças (ECDC) considerou esses testes "injustificados" na União Europeia (UE), devido ao alto nível de imunidade entre a população do bloco e à presença das mesmas variantes do que na China. Mas cientistas ocidentais expressaram o temor de que a rápida propagação do vírus no território chinês propicie o surgimento de novas variantes.

A Alemanha pediu o aumento da vigilância nos aeroportos europeus, para poder detectá-las. O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que os controles são compreensíveis, porque "servirão para proteger a população" diante do silêncio chinês sobre a evolução da pandemia.

O governo chinês julgou que as medidas de precaução são resultado de "exagero, difamação e manipulação política" orquestrados pela imprensa ocidental. "Desde o surgimento da epidemia, a China compartilha informações e dados confiáveis com a comunidade internacional, incluindo a OMS, de forma aberta e transparente", afirmou hoje um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores.

- Novo surto -

O novo surto eclodiu depois que a China encerrou, em 7 de dezembro, sem aviso prévio, sua política draconiana de "covid zero", em vigor desde a primeira onda da doença, identificada pela primeira vez há três anos, em Wuhan.

Essas medidas permitiram proteger a população do novo coronavírus, com testes de detecção generalizados e o monitoramento de deslocamentos, assim como com confinamentos e quarentenas impostos rigorosamente quando infecções eram descobertas.

Essa política, no entanto, atingiu a economia e esgotou a população, que protagonizou em novembro protestos inéditos em três décadas contra o governo comunista. A mudança de posição oficial foi abrupta e desencadeou as infecções.

Desde que as restrições foram levantadas, os hospitais chineses passaram a receber uma grande quantidade de doentes, a maioria idosos vulneráveis que não foram vacinados. Em muitas farmácias, os remédios contra a febre esgotaram.

Apesar do retorno da epidemia, autoridades irão suspender em 8 de janeiro a quarentena obrigatória na chegada à China e permitir que os chineses viajem para o exterior, após três anos de fronteiras praticamente fechadas.

O Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) reportou 5.515 novos casos e uma morte por covid na quinta-feira, números que não parecem refletir a realidade, uma vez que a testagem generalizada deixou de ser obrigatória e os critérios de morte pelo vírus foram alterados.

bur-mjw-oho/sbr/rr/prh/mab/js/eg/lb/mvv