Mercado fechado

Mundo tem oportunidade de conter avanço do novo coronavírus, diz OMS

Evolução diária da quantidade de infectados pelo novo coronavírus na China e pelo mundo

As medidas extraordinárias que a China adotou para conter o avanço do novo coronavírus contribuíram significativamente para frear a sua disseminação para fora do país, o que abre uma "oportunidade" de controlar a transmissão, anunciou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta terça-feira (4).

O diretor da organização, o etíope Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu mais solidariedade às nações, acusando alguns governos de países ricos de ficarem na defensiva ao compartilharem informações sobre casos virais.

"Noventa e nove porcento dos casos estão na China, enquanto no resto do mundo existem apenas 176 casos", disse o diretor da OMS no Conselho Executivo da organização em Genebra.

"Isso não significa que não vai piorar. Mas, certamente, temos a oportunidade de agir. Não vamos deixar passar", insistiu.

O novo coronavírus matou 425 pessoas na China continental e infectou mais de 20.400 desde que foi detectado pela primeira vez em 31 de dezembro. Vinte outros países confirmaram casos, razão pela qual a OMS declarou uma emergência de saúde global.

Tedros disse que a OMS recebeu apenas relatórios completos de 38% dos casos registrados fora da China.

"Alguns países de alta renda estão muito atrasados na comunicação desses dados vitais para a OMS. Não acho que seja devido à falta de capacidade", alfinetou.

"Sem dados melhores, é muito difícil para nós avaliar como o surto evolui, qual será seu impacto e garantir que estamos dando as recomendações mais adequadas", avaliou.

A OMS está enviando máscaras, luvas, respiradores e 18.000 roupas isolantes para 24 países, além de 250.000 kits de teste para acelerar o diagnóstico das pessoas com o vírus.

Ele também reiterou seu pedido para que os países não imponham restrições de viagem por causa do vírus.

"Esses tipos de restrições apenas aumentam o medo e o estigma e quase não trazem benefícios para a saúde pública", afirmou.