Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.831,82
    +399,85 (+0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Mundo pode perder 1/5 do PIB sem ação climática, mostra estudo

·1 minuto de leitura

ZURIQUE (Reuters) - A economia global pode perder quase um quinto da produção econômica até 2050 se o mundo não controlar as mudanças climáticas, com a Ásia particularmente em risco, mostrou um estudo divulgado pela resseguradora Swiss Re nesta quinta-feira.

O relatório do Swiss Re Institute disse que a produção poderia ser 18% menor do que em um mundo sem mudanças climáticas caso nenhuma ação mitigadora seja tomada e as temperaturas subam 3,2 graus centígrados.

Se as metas do Acordo de Paris forem cumpridas e a temperatura subir menos de 2°C, a perda pode ser limitada a 4%, concluiu o estudo.

"As economias da Ásia seriam as mais atingidas, com a China correndo o risco de perder quase 24% de seu PIB em um cenário severo, enquanto a maior economia do mundo, os Estados Unidos, perderia perto de 10% e a Europa quase 11%", mostrou o relatório.

A pesquisa examinou como 48 economias seriam afetadas pelos efeitos das mudanças climáticas em quatro cenários diferentes de aumento de temperatura.

Como o aquecimento global torna o impacto dos desastres naturais relacionados ao clima mais severo, ele pode levar a perdas substanciais de renda e produtividade ao longo do tempo, disse o relatório.

O aumento do nível do mar, por exemplo, resulta na perda de terras que poderiam ter sido usadas de forma produtiva, enquanto o estresse térmico pode levar a perdas de safra. As economias emergentes nas regiões equatoriais seriam as mais afetadas pelo aumento das temperaturas.

(Por Michael Shields)