Mercado abrirá em 6 h 52 min
  • BOVESPA

    108.789,33
    +556,59 (+0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,03
    +900,05 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,83
    +1,43 (+1,27%)
     
  • OURO

    1.809,10
    -9,80 (-0,54%)
     
  • BTC-USD

    30.054,61
    -329,27 (-1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    675,21
    +432,53 (+178,23%)
     
  • S&P500

    4.088,85
    +80,84 (+2,02%)
     
  • DOW JONES

    32.654,59
    +431,17 (+1,34%)
     
  • FTSE

    7.518,35
    +53,55 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    20.634,96
    +32,44 (+0,16%)
     
  • NIKKEI

    26.871,10
    +211,35 (+0,79%)
     
  • NASDAQ

    12.530,50
    -29,75 (-0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2055
    -0,0049 (-0,09%)
     

Mundo dos diamantes luta para manter compras de gemas russas

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- As sanções dos EUA contra a gigante de mineração de diamantes russa geram caos no setor, e operadores e fabricantes buscam alternativas para manter uma das principais fontes mundiais de gemas preciosas.

Compradores nos grandes centros comerciais de Antuérpia e Dubai e centros de manufatura na Índia passaram as últimas duas semanas em consulta com advogados para determinar o que significam as sanções dos EUA à Alrosa e como podem continuar comprando, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

Enquanto isso, os diamantes pararam de fluir das minas russas para Surat - o epicentro mundial do corte de diamantes - porque os bancos indianos não podem ou não querem processar os pagamentos.

Uma delegação da Alrosa visitou a Índia no início desta semana e realizou reuniões com clientes e grupos comerciais para discutir como facilitar as vendas, disseram pessoas familiarizadas com o assunto. A ruptura já afeta preços. O custo das pedras menores, que são a especialidade da Alrosa, começou a subir na semana passada.

A Alrosa é de controle estatal: o governo federal detém 33% e outros 25% são detidos por autoridades locais. Perder seus suprimentos por um período mais longo seria um abalo sísmico para o mundo dos diamantes - a empresa responde por cerca de um terço da oferta global de pedras brutas, quase o mesmo nível da De Beers, que detinha o monopólio até o início deste século.

A Alrosa iria realizar sua próxima venda na próxima semana - uma das 10 que realiza a cada ano -, mas é improvável que consiga vender qualquer pedra porque os bancos não conseguem processar pagamentos, segundo as pessoas.

Mas enquanto governos ocidentais impõem sanções à Rússia e empresas se afastam do país, muitos na indústria de diamantes da Índia ainda querem continuar comprando, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

E enquanto grandes joalherias americanas como Tiffany e Signet Jewelers disseram que vão parar de comprar novos diamantes extraídos na Rússia, varejistas em lugares como China, Índia e Oriente Médio não seguiram o exemplo.

As reuniões da Alrosa na Índia nesta semana incluíram discussões sobre como permitir que fabricantes e operadores indianos paguem pelos diamantes da Alrosa, disseram as pessoas. Embora as discussões incluíssem o pagamento em rublos ou rúpias, nenhum acordo firme foi feito. Qualquer acordo precisará do apoio do governo indiano, que não esteve envolvido nas discussões.

A Alrosa não quis comentar.

Para a Alrosa, uma opção poderia ser vender suas gemas ao governo russo, como fez durante a crise financeira de 2008. O Ministério das Finanças também não quis comentar.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos