Mercado fechará em 45 mins
  • BOVESPA

    101.892,48
    +1.340,04 (+1,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.595,53
    -73,72 (-0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,63
    +0,60 (+1,50%)
     
  • OURO

    1.906,30
    -23,20 (-1,20%)
     
  • BTC-USD

    13.049,12
    +1.992,12 (+18,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,32
    +7,22 (+2,82%)
     
  • S&P500

    3.453,09
    +17,53 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    28.367,85
    +157,03 (+0,56%)
     
  • FTSE

    5.785,65
    +9,15 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.655,00
    -36,25 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5955
    -0,0545 (-0,82%)
     

Mundo corre risco de cicatrizes econômicas se auxílio for removido cedo demais, diz Georgieva, do FMI

·1 minuto de leitura
.
.

(Reuters) - Países de todo o mundo correm o risco de enfrentar grandes falências e cicatrizes econômicas se o apoio fiscal e monetário utilizado para apoiar suas economias durante a crise atual for removido cedo demais, disse a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, nesta terça-feira.

"Somos muito claros na mensagem que estamos transmitindo para que não retiremos o apoio prematuramente", disse Georgieva em um evento online que marca o 125º aniversário da London School of Economics. "Se fizermos isso, corremos o risco de falências e desemprego em massa."

Georgieva disse que o Fundo Monetário Internacional não vê uma saída da crise atual no próximo ano, então a suspensão do serviço da dívida para os países pobres também deve ser mantida.

Ela disse que reformas tributárias são críticas para ajudar os países a cumprirem as obrigações de sua dívida, acrescentando que taxas de juros muito baixas e negativas podem ser úteis para ajudar as economias durante a pandemia, mas representam maiores riscos para os poupadores e o sistema bancário.

(Por David Lawder, Andrea Shalal e Rodrigo Campos)