Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.487,75
    +2.320,30 (+3,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Mulheres se manifestam na França em defesa de seus direitos

·1 minuto de leitura
Manifestação pelos direitos das mulheres na Praça da República, em Paris, 7 de março de 2021

Milhares de mulheres, usando máscaras devido à pandemia do coronavírus, manifestaram-se neste domingo (7) nas principais cidades da França em defesa de seus direitos na véspera do Dia Internacional da Mulher.

"Quando as mulheres param, tudo para!", afirmou uma das organizadoras da manifestação em Paris, que reuniu cerca de 300 pessoas na Praça da República.

Este ano, o dia "se celebra em um contexto de pandemia muito mal gerenciada, cujas graves consequências sociais e econômicas continuam afetando as mulheres, na linha de frente", denunciou.

A mobilização reuniu 3.000 manifestantes em Lyon, 1.200 em Montpellier, centenas em Marselha, Toulouse e em outras cidades importantes do país.

Agitando bandeiras violetas e cartazes em que denunciavam o "sexismo patriarcal", as manifestantes expressaram sua "determinação" de continuar lutando por seus direitos e sua "exaustão por não ser escutadas".

Depois das "polonesas, que se atreveram a parar tudo pelo direito ao aborto", das argentinas, das espanholas e das suíças, "todas paramos na segunda-feira", afirmou Suzy Rojtman, do Coletivo Nacional para os Direitos das Mulheres.

ls-ysp-est-dmc-dfa/bfa/cal/mis/mb/mvv