Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.667,66
    +293,79 (+0,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.232,20
    -741,07 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,75
    +1,32 (+1,55%)
     
  • OURO

    1.814,00
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    42.464,07
    +232,51 (+0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.009,15
    -0,24 (-0,02%)
     
  • S&P500

    4.577,11
    -85,74 (-1,84%)
     
  • DOW JONES

    35.368,47
    -543,34 (-1,51%)
     
  • FTSE

    7.563,55
    -47,68 (-0,63%)
     
  • HANG SENG

    24.112,78
    -105,25 (-0,43%)
     
  • NIKKEI

    28.257,25
    -76,27 (-0,27%)
     
  • NASDAQ

    15.240,75
    +34,75 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3132
    +0,0194 (+0,31%)
     

Mulheres se destacam à frente de startups de hedge funds

·4 min de leitura

(Bloomberg) -- Quando Mala Gaonkar e Divya Nettimi lançarem seus hedge funds em 2022, alguns banqueiros e investidores esperam que cada uma comece com US$ 1 bilhão ou mais sob gestão. Nunca houve um lançamento tão grande de uma empresa liderada por mulheres, muito menos dois no mesmo ano.

Most Read from Bloomberg

Elas são apenas as mais proeminentes de um grupo de mulheres que estão lançando, ou lançaram recentemente, fundos no mundo todo. Demorou. Dos milhares de hedge funds, apenas cerca de 80 são liderados por mulheres atualmente, de acordo com a Kresge Foundation, uma organização filantrópica com sede em Troy, Michigan, que rastreia a diversidade entre gestores.

“É um momento decisivo ter vários lançamentos de hedge funds liderados por mulheres”, diz Dominique Mielle, ex-sócia e gestora da Canyon Capital, também autora de “Damsel in Distressed: My Life in the Golden Age of Hedge Funds”. “As mulheres devem superar os homens se quiserem permanecer no negócio, mas, mesmo quando o fazem, investidores relutam em confiar seu dinheiro a elas, limitando assim o tamanho dos fundos administrados por mulheres. E lá se vai o círculo vicioso com mulheres administrando fundos pequenos, mais instáveis e menos relevantes, que dificilmente destacam as habilidades do investimento feminino. Grandes lançamentos de US$ 1 bilhão podem desconstruir essa imagem mofada.”

Um número crescente de mulheres no setor ganhou dinheiro suficiente e consolidou relações para iniciar seus próprios negócios. Ao mesmo tempo, muitos investidores decidiram que a diversidade na gestão de recursos beneficia o desempenho e também a sociedade.

“Mais investidores estão reconhecendo que o investimento do dia a dia tem a ver com a tomada de decisões, e a ciência é muito clara de que equipes mais diversificadas tomam melhores decisões”, diz Rob Manilla, vice-presidente e diretor de investimentos da Kresge Foundation, que planeja colocar 25% de seus ativos nos EUA nas mãos de gestores que representem a diversidade até 2025. “Por que pensaríamos que toda boa ideia de investimento precisa vir de um homem branco?”

Aqui estão alguns lançamentos futuros para ficar de olho:

MALA GAONKAR

Nome do fundo: Surgo Capital

Empresa anterior: Lone Pine Capital

Foco: Tecnologia, mídia, segmento financeiro em mercados emergentes, empresas privadas

Sede: Nova York

Ativos sob gestão: a confirmar

Lançamento: 2022

Em outubro, quando a lenda do setor de hedge funds Stephen Mandel anunciou a investidores que Gaonkar estava saindo em janeiro para abrir sua própria firma de investimento, ele disse a clientes que a executiva, de 52 anos, “tem sido fundamental para o desenvolvimento de nossa empresa e nosso desempenho de investimento”.

Gaonkar entrou na Lone Pine em 1998, ano em que foi fundada, e em janeiro de 2019, quando Mandel decidiu deixar de lado a gestão do dia a dia, decidiu nomeá-la com outros dois gestores para administrar os agora US$ 33 bilhões em investimentos da empresa. Na Lone Pine, Gaonkar investiu principalmente em empresas de capital aberto em telecomunicações, mídia, internet, tecnologia e finanças de mercados emergentes. Pessoas próximas à gestora esperam que ela faça mais apostas em empresas privadas em seu novo fundo.

Nascida nos Estados Unidos, Gaonkar passou a maior parte da infância em Bengaluru, na Índia, onde muitos de seus familiares eram médicos. Estudou economia em Harvard e, alguns anos depois, voltou para fazer um MBA, após o qual passou dois anos na Kauffman Fellowship, um programa de dois anos com foco em capital de risco. Ela passou a maior parte da carreira no escritório da Lone Pine em Londres, e sua nova empresa terá sede na cidade de Nova York.

Gaonkar não quis comentar.

LISA AUDET

Nome do fundo: Tall Trees Capital Management

Empresa anterior: Discovery Capital Management

Foco: ações relacionadas ao meio ambiente

Sede: Greenwich, Connecticut

Ativos sob gestão: US$ 50 milhões a US$ 75 milhões

Lançamento: começo de 2022

Depois de passar 12 anos na Discovery Capital, onde se concentrou em apostas de energia, Audet, 56, está lançando a Tall Trees Capital Management.

A empresa deve começar a operar no primeiro trimestre com US$ 50 milhões a US$ 75 milhões sob gestão e uma equipe de quatro pessoas, de acordo com uma fonte. A empresa vai apostar em investimentos relacionados à mudança climática em empresas de capital aberto, incluindo companhias que usam tecnologias de energia limpa ou que aceleram a descarbonização de setores não energéticos. O fundo também pode explorar investimentos privados.

Audet não quis comentar.

DIVYA NETTIMI

Nome do Fundo: a confirmar

Empresa anterior: Viking Global Investors

Foco: empresas com capital aberto e privadas

Sede: Nova York

Ativos sob gestão: a confirmar

Lançamento: 2022

Nettimi, 35, foi uma das investidoras com foco em tecnologia mais talentotas da Viking Global Investors. Essa reputação alimenta expectativas de que poderia levantar US$ 1 bilhão para seu novo fundo em 2022 e se juntar às fileiras de outros ex-investidores de sucesso da Viking - entre eles Dan Sundheim, Ben Jacobs e Tom Purcell - que captaram bilhões de dólares para suas próprias empresas.

Na Viking, Nettimi administrou mais de US$ 4 bilhões como diretora de investimentos globais em tecnologia, mídia e telecomunicações da empresa. Ela também liderou os investimentos da Viking na Microsoft, Amazon.com, ServiceNow e Sea Ltd., com sede em Singapura.

Sua nova empresa se concentrará em investimentos em companhias listadas e de capital fechado, de acordo com pessoas a par dos planos.

Nettimi não quis comentar.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos