Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.117,95
    -128,76 (-0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Mulheres são mais propensas a covid longa, segundo estudo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Segundo um estudo publicado na revista Current Medical Research and Opinion, as mulheres são mais propensas a covid longa. Para chegar a essa informação, os cientistas da Johnson & Johnson analisaram dados de cerca de 1,3 milhão de pacientes.

Como já sabemos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) define a covid longa como uma "condição pós-covid ocorre em indivíduos com histórico de infecção por SARS CoV-2 provável ou confirmada, geralmente três meses após o início da covid-19 sintomática, e que duram pelo menos dois meses".

O novo estudo sugere que mulheres com covid longa estão mais sujeitas a uma variedade de sintomas que vão desde problemas de ouvido, nariz e garganta a distúrbios neurológicos, cutâneos, gastrointestinais e reumatológicos. No entanto, os pacientes do sexo masculino são mais propensos a apresentar distúrbios endócrinos, como diabetes.

Segundo os autores do artigo, conhecer as diferenças na função do sistema imunológico entre mulheres e homens pode ser um importante fator para lidar com a síndrome de covid longa. A teoria é que as mulheres apresentam respostas imunes mais rápidas, capazes de proteger da infecção inicial e da gravidade, mas que ao mesmo tempo aumentam a vulnerabilidade ​​a doenças autoimunes prolongadas.

Mulheres são mais propensas a covid longa, segundo estudo (Imagem: Ultinato/Envato)
Mulheres são mais propensas a covid longa, segundo estudo (Imagem: Ultinato/Envato)

Entender essas diferenças, conforme comentam os pesquisadores, pode ser crucial para a identificação e o desenvolvimento de terapias eficazes e intervenções de saúde pública. No entanto, existem aspectos que ainda devem ser estudados: as mulheres podem estar em maior risco de exposição ao vírus em determinadas profissões.

Além disso, “pode haver disparidades no acesso aos cuidados com base no gênero que afetam a história natural da doença, levando a mais complicações e sequelas”. De qualquer forma, vale ficar atento aos sintomas da covid longa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos