Mercado abrirá em 2 h 54 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,95
    +0,57 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.768,50
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    55.186,00
    -1.723,64 (-3,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.244,55
    -54,41 (-4,19%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    6.938,22
    -61,86 (-0,88%)
     
  • HANG SENG

    29.135,73
    +29,58 (+0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.100,38
    -584,99 (-1,97%)
     
  • NASDAQ

    13.839,50
    -57,75 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6868
    +0,0111 (+0,17%)
     

Mulheres economistas estão menos contentes no trabalho no Canadá

Shelly Hagan
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- As economistas canadenses expressam menos satisfação em seu campo de trabalho do que seus colegas homens, de acordo com uma nova pesquisa.

Menos da metade das mulheres pesquisadas, ou 47%, disseram estar satisfeitas com suas funções na indústria, de acordo com os resultados publicados nesta terça-feira pela Universidade de Chicago para a Associação Canadense de Economia. Os números se comparam a 60% dos homens.

A pesquisa complementa uma série de pesquisas publicadas nos últimos anos, destacando a discriminação contra as mulheres e sua sub-representação no campo da economia.

Contribuindo para a insatisfação das mulheres estão suas menores chances de serem publicadas em periódicos ou convidadas para seminários, entre as maneiras pelas quais os economistas podem apresentar seu trabalho, disse Janice Compton, professora de economia da Universidade de Manitoba que contribuiu com a pesquisa. Essas oportunidades, ou a falta delas, geralmente determinam a trajetória de uma carreira em economia, disse Compton.

“Há uma pesquisa clara para mostrar que, sim, há discriminação nas publicações, no comportamento em seminários em relação às mulheres, na contratação, em todos esses aspectos do nosso trabalho”, disse Compton em entrevista.

Algumas medidas para lidar com a disparidade começaram a ser tomadas. O Banco do Canadá se comprometeu no ano passado com novas metas de diversidade para aumentar a representação das mulheres em seus escalões superiores, juntamente com as minorias.

As perguntas da pesquisa foram baseadas em trabalho semelhante conduzido pelo Associação Americana de Economia. Cerca de 1.652 economistas canadenses responderam à pesquisa concluída em janeiro de 2020, principalmente aquelas empregadas por universidades ou pelo governo.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.