Mercado abrirá em 7 h 40 min
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,61
    -0,35 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.774,50
    +4,00 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    63.990,24
    +1.347,23 (+2,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.481,40
    +18,05 (+1,23%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    26.125,96
    +338,75 (+1,31%)
     
  • NIKKEI

    29.319,14
    +103,62 (+0,35%)
     
  • NASDAQ

    15.383,00
    -15,50 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5159
    +0,0197 (+0,30%)
     

Mulheres deixaram força de trabalho dos EUA em setembro, mas em menor número do que há um ano

·2 minuto de leitura
Unidade da rede Wendy's exibe placa "Contratando" em Tampa, Flórida, EUA, 1º de junho de 2021. REUTERS/Octavio Jones

Por Jonnelle Marte

(Reuters) - A recuperação do mercado de trabalho para as mulheres norte-americanas enfrentou um retrocesso em setembro, assim como aconteceu há cerca de um ano, depois que muitos distritos escolares do país mudaram para o ensino online. Mas a queda no número de mulheres trabalhando ou à procura de emprego no mês passado foi muito menor do que em 2020, pois mais escolas foram reabertas neste ano.

Dados do relatório mensal de emprego dos Estados Unidos divulgado pelo Departamento do Trabalho nesta sexta-feira mostram que as mulheres continuam a enfrentar uma recuperação mais instável no mercado de trabalho depois de serem desproporcionalmente afetadas por perdas de empregos durante a pandemia de coronavírus.

A leitura também levanta dúvidas sobre se a reabertura de escolas, que provavelmente contribuiu para o progresso neste ano em relação a setembro de 2020, é suficiente por si só para reduzir a lacuna --que aumentou durante a pandemia-- entre a participação na força de trabalho de homens e mulheres.

Cerca de 350 mil mulheres com 20 anos ou mais deixaram a força de trabalho em setembro e agosto deste ano, enquanto 321 mil homens na mesma faixa etária juntaram-se a elas.

Isso deixa a força de trabalho para mulheres com 20 anos em déficit de cerca de 2 milhões em relação a fevereiro de 2020, quase o dobro da cifra para homens na mesma faixa etária.

"As mulheres enfrentam obstáculos tremendos ao tentar retornar à força de trabalho pós-pandemia", disse em comunicado C. Nicole Mason, presidente e diretora executiva do Institute for Women's Policy Research. "Vai levar tempo para ver como as mulheres lidam com o que, esperançosamente, será uma pandemia em declínio e o que isso significa para seus empregos e carreiras."

Ainda assim, o relatório representou melhora em relação ao mesmo período do ano passado, quando a força de trabalho perdeu de mais de 1 milhão de mulheres com 20 anos ou mais em agosto e setembro, depois que muitos distritos escolares reabriram apenas com aprendizagem virtual, exigindo que as crianças estudassem de casa.

Neste ano, mais mulheres estão retornando ao trabalho, à medida que as contratações são retomadas em alguns dos setores em que estão mais representadas e um número maior de distritos escolares retoma as aulas presenciais.

O Departamento do Trabalho dos EUA informou em seu relatório de empregos nesta sexta-feira criação líquida de 194 mil postos de trabalho fora do setor agrícola no mês passado. Economistas consultados pela Reuters esperavam abertura de 500 mil vagas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos