Mercado fechará em 4 h 42 min
  • BOVESPA

    130.958,68
    +1.517,65 (+1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.168,71
    -117,75 (-0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,51
    +0,60 (+0,85%)
     
  • OURO

    1.867,50
    -12,10 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    40.598,81
    +4.671,94 (+13,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.008,43
    +39,59 (+4,09%)
     
  • S&P500

    4.239,13
    -8,31 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.293,25
    -186,35 (-0,54%)
     
  • FTSE

    7.170,08
    +36,02 (+0,50%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.022,00
    +27,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1322
    -0,0604 (-0,98%)
     

Mulheres como militares viram batalha de gênero na Coreia do Sul

·4 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Um acalorado debate na Coreia do Sul sobre o serviço militar obrigatório para mulheres está inflamando as divisões entre os sexos, em vez de diminuir as diferenças sociais, disse a ministra da igualdade de gênero do país.

Chung Young-ai, que lidera o Ministério da Igualdade de Gênero e Família, respondeu a uma pergunta em entrevista à Bloomberg sobre se as mulheres jovens deveriam ser obrigadas a se juntar a seus colegas homens servindo nas Forças Armadas. A questão tem sido objeto de ampla discussão desde abril, quando o legislador do partido no poder e aspirante à presidência em 2022, Park Yong-jin, reagiu às derrotas nas eleições locais sugerindo que o serviço militar obrigatório para mulheres promoveria a igualdade de gênero.

Chung disse na segunda-feira que a direção do argumento era “problemática”. “O debate sobre as mulheres servindo nas Forças Armadas não veio da tentativa de alcançar a igualdade de gênero, mas de vozes que estão pedindo às mulheres que experimentem as mesmas desvantagens que os homens”, ela disse.

A proposta de Park tocou em uma questão polêmica que de alguma forma afeta quase todas as famílias na Coreia do Sul, que tecnicamente ainda está em guerra com a Coreia do Norte e compartilha uma das fronteiras mais militarizadas do mundo. Uma petição online direcionada ao presidente Moon Jae-in exigindo o recrutamento feminino recebeu quase 300.000 assinaturas até terça-feira.

O governo progressista de Moon viu o apoio entre as mulheres diminuir antes de uma eleição presidencial a apenas 10 meses de distância e está tentando reconquistar o bloco de votação crucial para manter o cargo quando seu mandato terminar. A tendência contribuiu para a derrota do Partido Democrata no mês passado nas disputas para prefeito em Seul e Busan, as duas maiores cidades da Coreia do Sul.

Os sul-coreanos devem se concentrar na solução de problemas crônicos, como disparidade de renda, baixa taxa de natalidade e discriminação sistêmica baseada en gênero, disse Chung. A pandemia tornou as coisas ainda mais difíceis para as mulheres, com dados do banco central mostrando que elas sofreram perdas de empregos muito maiores do que os homens.

Durante a campanha presidencial da Coreia do Sul em 2017, Moon prometeu ser um “presidente a favor da igualdade de gênero” e que as mulheres seriam metade dos membros de seu gabinete até o final de seu mandato, após começar com 30%. Com menos de um ano no cargo, ele agora tem apenas quatro ministras em um gabinete de 19.

Mais de Chung:

Taxa de natalidade

“A baixa taxa de natalidade deve ser combatida a partir de uma plataforma de igualdade de gêneros. Existem várias questões com as quais os jovens da Coreia do Sul devem lidar se quiserem ter um filho, como moradia, creche e segurança. O custo é muito alto. E mais, muitas mulheres são as principais responsáveis por cuidar dos filhos em casa, fazendo com que muitas hesitem em ter um filho.”

Famílias

“Estamos trabalhando para quebrar estereótipos sobre a definição tradicional de família e seus membros, sob o princípio da inclusão. Não devemos excluir ninguém de nossa sociedade e devemos trabalhar para expandir os beneficiários por meio de nossas políticas de igualdade.”

Carreiras

“A Coreia do Sul pode ser vista como um país desenvolvido. Mas quando se trata da participação das mulheres no mercado de trabalho, está muito atrás de outros. As mulheres não deveriam sofrer com uma carreira interrompida devido ao parto. Estamos buscando políticas para trazer as mulheres de volta sem interrupções de carreira. Existem cerca de 150 novos centros de emprego sob o Ministério da Igualdade de Gênero e Família.”

Disparidades de renda

“Até 2019, a atividade econômica das mulheres aumentou gradualmente e a disparidade salarial entre os gêneros deu alguns sinais de melhora. Mas, ao enfrentarmos a pandemia em 2020, a taxa de emprego das mulheres diminuiu significativamente em comparação com a dos homens. Muitas mulheres sofreram mais com a pandemia do que os homens porque trabalham no setor de serviços, onde o contato pessoal é essencial.”

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.