Mercado abrirá em 6 h 42 min
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,23
    -0,85 (-1,29%)
     
  • OURO

    1.818,80
    -4,00 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    51.036,04
    -6.136,50 (-10,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.399,98
    -163,85 (-10,48%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    7.004,63
    +56,64 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    27.827,77
    -403,27 (-1,43%)
     
  • NIKKEI

    27.434,30
    -713,21 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    13.055,00
    +56,50 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4087
    +0,0032 (+0,05%)
     

Mulher processa Apple após gastar US$ 3 mil em compras in-app

Ramon de Souza
·1 minuto de leitura

Uma cidadã do estado de Connecticut, nos Estados Unidos, está processando a Apple por um motivo peculiar: ela afirma que a companhia “promove, facilita e lucra” de jogos de azar hospedados na App Store. A ação foi movida depois que a reclamante, Karen Workman, baixou a obra Jackpot Mania em 2017 e gastou exatos US$ 3.312,19 (cerca de R$ 18,5 mil) em microtransações dentro do game em questão.

Segundo o documento, Karen “começou a comprar moedas por meio do aplicativo para que pudesse continuar a jogar para ter a chance de ganhar moedas grátis que lhe permitiriam desfrutar do(s) jogo(s) por mais tempo”. Por conta disso, o advogado argumenta que aplicativos que possuam compras in-app caem na categoria de jogos de azar, pois os usuários “tem a capacidade de vencer e, portanto, adquirir mais tempo de jogo”.

Ademais, os reclamantes também afirmam que os créditos que permitem alguém a estender a jogatina são algo de valor. “A Apple não é um participante menor ou acidental nesses jogos de azar ilegais. É a principal promotora e facilitadora da atividade ilegal. A Apple mantém um controle ditatorial sobre quais aplicativos podem ser baixados da App Store e a forma de pagamento para comprar em itens de aplicativos”, afirma o advogado de Karen.

A estadunidense procura, além da restituição total de tudo o que ela gastou no jogo em questão, que a Maçã pague os honorários advocatícios e conceda um prêmio ao advogado por “seus serviços, neste caso, em nome da classe”. Vale lembrar que jogos de azar são proibidos na App Store, seguindo a lei dos EUA que restringe a promoção de tais atividades no espectro cibernético.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: