Mercado abrirá em 9 h 51 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,93
    -1,73 (-2,09%)
     
  • OURO

    1.799,40
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    58.848,46
    -1.700,86 (-2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.409,85
    -64,48 (-4,37%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.676,14
    +47,40 (+0,18%)
     
  • NIKKEI

    28.824,14
    -274,10 (-0,94%)
     
  • NASDAQ

    15.618,00
    +30,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4203
    -0,0044 (-0,07%)
     

Mulher negra é barrada em Shopping de SP: ‘achei que iam medir minha temperatura’

·3 minuto de leitura
Foto: Divulgação/Santana Parque Shopping
Foto: Divulgação/Santana Parque Shopping
  • A cantora Thamires Rosa foi barrada na entrada do Santana Parque Shopping, na zona norte de São Paulo, e confundida com um entregador por segurar uma caixa

  • A vítima relatou o caso nas redes sociais e recebeu apoio de seguidores. Após a repercussão, shopping contatou a vítima, mas ainda não tomou providências

Texto: Letícia Fialho

A cantora negra Thamires Rosa relatou ter sido vítima de racismo na entrada do Santana Parque Shopping, na Zona Norte de São Paulo, ao ser barrada por um segurança. Na segunda-feira (13), ela resolveu passar pelo estabelecimento comercial para fazer um depósito no caixa eletrônico e, em seguida, passaria nos Correios, localizado ao lado, para despachar uma encomenda.

“O segurança foi caminhando ao meu encontro e parou na minha frente em silêncio. Pensei que ele fosse medir minha temperatura e depois de alguns segundos ele apontou para a caixa que eu estava segurando e perguntou ‘para qual loja é essa entrega?’. Respirei fundo e então respondi que eu era cliente do shopping”, conta.

Para a cantora, o constrangimento teria sido evitado se ao menos o segurança tivesse se apresentado educadamente antes de abordá-la. “Não houve empatia em momento algum. Me senti muito constrangida e humilhada, porque não fui tratada com respeito. No vídeo que publiquei nas minhas redes sociais, perguntando para as pessoas se eu estava mal vestida, foi por conta da abordagem que ele teve comigo, como se tivesse certeza que eu estava indo fazer uma entrega”, afirma Rosa.

Após ser barrada, Thamires conseguiu entrar no shopping e perguntou para outro segurança onde ficava a central de atendimento ao consumidor. “A supervisora pediu desculpas pelo ocorrido e olhou para a minha caixa afirmando que como era visível o logotipo do Mercado Livre, poderia ter ocasionado a abordagem inadequada do segurança”, relata.

“Eu não estava uniformizada e todo entregador que faz entrega no shopping sabe que existe um local específico para ele se dirigir. Ainda assim, se eu estivesse trabalhando e entrasse no local errado, gostaria de no mínimo ser tratada com respeito”, disse Thamires à supervisora do shopping.

Cantora recebeu apoio nas redes sociais

“Várias pessoas repostaram o meu vídeo, dentre elas o Danilo Gentili. Recebi uma enxurrada de comentários, de pessoas que identificaram a situação como racismo. Eu relatei a situação de coração aberto porque já passei por situações de racismo e não me sentia à vontade para afirmar do que se tratava. Agora, em meio a essa situação, eu tive voz e falei”, afirma Thamires.

Segundo a cantora, ela sempre quis se posicionar ao ser vítima de racismo, mas sentia medo de ser invalidada por pessoas brancas. Para ela, seu empoderamento surgiu após a campanha que lançou como artista, com sua música ‘Força Negra’, que tinha como principal mensagem: “O mundo precisa extinguir o racismo e toda forma de preconceito”.

O Santana Parque Shopping entrou em contato com Thamires após a publicação do vídeo em suas redes sociais. Até o momento, segundo a vítima, não houve nenhuma providência.

Em nota enviada à Alma Preta Jornalismo o shopping afirma que "repudia todo tipo de preconceito e esclarece que a abordagem não teve nenhuma intenção de causar desconforto. O shopping se solidariza com a cliente e se desculpa pelo mal estar que possa ter causado”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos