Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,12
    +2,63 (+3,31%)
     
  • OURO

    1.672,50
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    18.986,69
    -330,52 (-1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.033,25
    -2,25 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    -0,0039 (-0,07%)
     

Mulher compra mansão com milhões transferidos por engano por empresa de criptomoedas

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma mulher na Austrália foi condenada a vender uma mansão que comprou com recursos que teriam sido transferidos por engano pela plataforma de criptomoedas Crypto.com. As informações são do jornal americano "The Washington Post".

De acordo com a reportagem, em maio de 2021, a Crytpo.com transferiu por engano cerca de US$ 7,2 milhões (R$ 37,2 milhões) para Thevamanogari Manivel.

A mulher tinha direito a um reembolso de apenas US$ 68 (R$ 351,42) e a falha teria ocorrido por um funcionário que preencheu o campo do valor do pagamento com um número de conta bancária.

A plataforma só teria identificado o engano milionário no final do ano passado, em meio a um processo de auditoria interna.

Consultada pelo jornal americano, um porta-voz da Crypto.com afirmou que não poderia passar nenhum posicionamento oficial porque o assunto está sendo tratado nos tribunais.

Ao tentar bloquear os valores nas contas, contudo, a empresa descobriu que a maior parte do valor já havia sido gasto ou transferido para terceiros.

Com a quantia repassada por engano pela plataforma, ela teria comprado em fevereiro uma mansão com quatro quartos e quatro banheiros, cinema e academia, no valor de US$ 925 mil (R$ 4,8 milhões).

A compra teria sido feita para sua irmã, Thilagavathy Gangadory, que mora na Malásia, segundo documentos apresentados pela Crypto.com para a Justiça da Austrália.

Com base no material apresentado, um juiz no sudeste da Austrália ordenou em agosto deste ano a venda da propriedade e a transferência do valor movimentado para a empresa de criptomoedas.