Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,59
    +0,29 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.776,70
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    34.407,72
    +1.247,01 (+3,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    828,13
    +41,51 (+5,28%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    29.066,79
    +191,56 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    14.349,25
    -5,00 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8658
    +0,0035 (+0,06%)
     

Mulher com HIV contrai COVID e acumula mais de 30 mutações do coronavírus

·4 minuto de leitura

Não é segredo que a ciência ainda tem muito a aprender sobre o comportamento do coronavírus SARS-CoV-2 em humanos, agora, uma pesquisa sul-africana fez descobertas importantes sobre o que pode acontecer quando um paciente com HIV contrai a COVID-19 e possíveis exceções à regra. Neste último caso, a infecção do coronavírus se manteve ativa por 216 dias em uma mulher de 36 anos. Nesse intervalo, o vírus da COVID-19 acumulou mais de 30 mutações.

Publicado na plataforma medRxiv, o relato de caso é um preprint, ou seja, ainda não possou pela revisão de outros cientistas. Segundo os autores, a descoberta do caso da mulher sul-africana foi acidental e só ocorreu porque a paciente foi inscrita em uma pesquisa para estudar o comportamento do coronavírus em pessoas com HIV. No total, 300 voluntários participaram do estudo, sendo que, em outros quatro pacientes, o coronavírus se manteve ativo por mais de um mês.

Paciente com HIV foi diagnosticada com coronavírus e acumulou uma série de mutações do vírus da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ IciakPhotos/Envato Elements)
Paciente com HIV foi diagnosticada com coronavírus e acumulou uma série de mutações do vírus da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ IciakPhotos/Envato Elements)

No entanto, o caso da paciente — posteriormente, descobriu-se que o HIV não estava controlado — foi único neste estudo. Inicialmente, a mulher foi atendida em um hospital com sintomas leves da COVID-19, em setembro de 2020. Após ser inscrita na pesquisa, a resposta imunológica da paciente contra o coronavírus foi examinada. Dessa forma, conseguiu-se identificar um número de mutações elevado que a cepa continha.

Mutações do coronavírus em paciente com HIV

Segundo a pesquisa sul-africana, a cepa identificada na paciente acumulava 13 mutações na proteína spike na membrana celular, considerada a porta de entrada do agente infeccioso nas células saudáveis e o foco da maioria das vacinas contra a COVID-19. Além disso, encontraram outras 19 mutações que podem, potencialmente, alterar o comportamento do vírus. No total, eram 32 mutações.

Algumas dessas mutações foram observadas em variantes de preocupação (VOC – Variant of Concern), como: a mutação E484K, presente na variante Alpha (B.1.1.7, observada pela primeira vez no Reino Unido); e a mutação N510Y, presente na variante Beta (B.1.351, observada pela primeira vez na África do Sul).

Não se sabe se a cepa que a paciente carregava foi transmitida para outras pessoas. Além disso, os autores defendem a importância de se investigar mais casos de pacientes com HIV e COVID-19. Isso porque, se mais casos do tipo forem identificados, será preciso entender de que forma o HIV pode ser induzir à formação de novas variantes do coronavírus.

Segundo o geneticista e diretor da Universidade de KwaZulu-Natal (UKZN), Tulio de Oliveira, a situação da paciente pode ter ocorrido apenas pelo fato do organismo dela carregar o coronavírus por mais tempo. Nesse intervalo maior e com o organismo fragilizado, o número de replicações do agente infeccioso poderia ser maior, e as chances de mutações também.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Se a infecção persistente por SARS-CoV-2 e a evolução do vírus ocorrerem com mais frequência no contexto do HIV, isso pode fornecer uma justificativa para priorizar as pessoas que vivem com HIV para a vacinação contra COVID-19", explicou o pesquisador e um dos autores do estudo. Nesse cenário, alguns países já incluem pacientes com HIV no grupo prioritário, mas por considerarem-nos integrantes do grupo de pacientes imunossuprimidos, como acontece aqui no Brasil.

Já o professor da Universidade de Barcelona, Juan Ambrosini, aponta que o caso pode ser apenas uma exceção à regra. Isso porque a infecção prolongada pode ser causada por imunocomprometimento grave, ou seja, quando o HIV não está controlado, por exemplo. Por outro lado, Ambrosini destaca que os resultados são importantes para o controle da COVID-19, porque esses pacientes podem ser uma fonte contínua de transmissão e evolução do vírus. Além disso, outros pacientes imunossuprimidos já foram vistos como portadores do coronavírus por períodos prolongados, como pessoas transplantadas.

Para acessar o relato sobre o caso da paciente com HIV e COVID-19 prolongada, publicado na plataforma medRxiv, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos