Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.329,17
    -93,33 (-0,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Muitas crianças estão comendo cannabis acidentalmente nos EUA

Em relatório publicado no períodico Pediatrics na última terça-feira (3), pesquisadores trouxeram à tona uma preocupação: um aumento expressivo no número de casos de crianças comendo cannabis acidentalmente. A incidência subiu cerca de 15 vezes, nos estados dos EUA que legalizaram a substância.

Conforme consta no artigo, em 2017, pouco mais de 200 crianças de cinco anos ou menos consumiram algum produto alimentar com cannabis. Já em 2021, esse número subiu para 3.050. Não houve nenhuma morte relacionada a esses ocorridos, mas cerca de 15% das crianças foram hospitalizadas, e cerca de 8% precisaram de internação em terapia intensiva.

No público infantil, o consumo de cannabis pode despertar sintomas como taquicardia, vômito e até mesmo coma. Quando hospitalizadas, essas criaças receberam tratamentos intravenosos.

Número de crianças comendo cannabis acidentalmente nos EUA preocupa médicos (Imagem: Shelby Ireland/Unsplash)
Número de crianças comendo cannabis acidentalmente nos EUA preocupa médicos (Imagem: Shelby Ireland/Unsplash)

Os especialistas traçam uma relação entre esses casos e a liberação da cannabis para uso recreativo nos EUA. Acontece que, quando o estudo começou em 2017, a liberação contemplava apenas em 8 estados dos EUA. Em 2022, esse número já mudou: 18 estados.

Mais de 90% das ingestões aconteceram na própria casa dessas crianças, então os pesquisadores lançam alerta para que os pais tenham consciência acerca da necessidade de armazenar produtos de cannabis longe do alcance de crianças, até porque, muitos desses alimentos atraem a atenção do público infantil, como chocolates e doces.

Anteriormente, outro público vulnerável chamou a atenção dos especialistas ao consumir cannabis involuntariamente: cachorros. Um estudo publicado no periódico Australian Veterinary Journal apontou casos de cachorros de Melbourne (Austrália) ficando entorpecidos sob efeito da droga depois do consumo de fezes humanas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: