Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    -0,05 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.775,10
    -3,10 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    40.852,55
    -2.486,21 (-5,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,33
    -47,52 (-4,47%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    14.994,00
    -30,00 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1789
    -0,0658 (-1,05%)
     

MUFG eleva projeção de Selic a 7,5% e cita volta de riscos fiscais

·2 minuto de leitura
Pessoa passa em frente à sede do Banco Central em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - O grupo financeiro MUFG elevou a 7,5% a expectativa para a taxa de juros ao fim deste ano e do próximo, de 6,5% do cenário anterior, e passou a ver alta de 1 ponto percentual na Selic em cada uma das próximas duas reuniões, enquanto chamou atenção para a ressurgência de riscos fiscais.

"A principal preocupação do Banco Central é evitar a contaminação da inflação corrente para 2022 por meio de aumentos de preços secundários e também da deterioração das previsões do mercado para inflação futura", disseram os economistas Carlos Pedroso e Mauricio Nakahodo em relatório.

O Copom começou nesta terça-feira a reunião de política monetária que terminará na quarta com o anúncio de uma provável nova elevação da taxa de juros. Boa parte do mercado vê atualmente alta de 1 ponto na taxa de juros, aceleração ante os movimentos anteriores. O juro está em 4,25% atualmente.

Os juros mais altos são um vetor positivo para a taxa de câmbio e ajudam a explicar a previsão do MUFG de que o dólar fechará este ano em 5,10 reais. Porém, Pedroso e Nakahodo ponderaram que o mercado cambial seguirá muito influenciado por outras variáveis que vão da política monetária norte-americana às perspectivas fiscais para o Brasil.

Os economistas citaram as recentes manchetes sobre riscos de uma tentativa de acomodação do Bolsa Família fora do teto de gastos, o que desde o fim da semana passada tem mantido os mercados em alerta.

"Isso é preocupante, porque seria de se esperar a retomada do ajuste fiscal assim que a pandemia estivesse sob controle. Além disso, sinalizaria risco de populismo no ano eleitoral de 2022 se a chapa presidencial não estiver indo bem para a reeleição", disseram.

O dólar à vista saltava 1,8% nesta terça, chegando a superar 5,27 reais na máxima do dia, com a moeda brasileira liderando com folga as perdas globais. E os juros de longo prazo disparavam mais de 20 pontos-base, sinal de busca do investidor por proteção.

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos