Mercado fechará em 12 mins
  • BOVESPA

    107.576,46
    -1.492,09 (-1,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.026,65
    +300,69 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,92
    -0,09 (-0,12%)
     
  • OURO

    1.803,80
    +5,80 (+0,32%)
     
  • BTC-USD

    17.175,38
    +359,25 (+2,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,75
    +9,06 (+2,29%)
     
  • S&P500

    3.971,43
    +37,51 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    33.843,56
    +245,64 (+0,73%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.662,00
    +152,50 (+1,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4967
    +0,0303 (+0,55%)
     

Mudança no layout das faturas pode reduzir dívidas no cartão de crédito; entenda

Mudança no design das faturas pode reduzir dívidas no cartão de crédito
Mudança no design das faturas pode reduzir dívidas no cartão de crédito
  • Estudo do Banco Central concluiu que adoção da linguagem simples traz melhor compreensão para o consumidor;

  • Dívidas no cartão de crédito já atingem 79% das famílias brasileiras, afirmou CNC;

  • Faturas costumam vir com linguagem técnicas e confusa incentivando o pagamento mínimo, que tem mais juros.

Um estudo divulgado nesta quarta-feira (05) pelo Banco Central afirmou que pequenas mudanças na exibição de uma fatura de cartão de crédito podem ajudar a diminuir o nível de endividamento das famílias brasileiras.

O cartão de crédito é o principal responsável pelo endividamento no Brasil. Dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), apontam que as dívidas no cartão atingem um total de 79% das famílias, uma taxa recorde para o país.

Segundo Ízis Janote Ferreira, economista da CNC, a principal causa de tamanho número é o aumento no preço dos alimentos, fazendo com que as pessoas tenham que se desdobrar para conseguir sobreviver.

"Não é crédito pessoal ou para comprar bem. É crédito de curto prazo, no cartão e no carnê de loja, para suportar o consumo de itens mais básicos, não duráveis, do orçamento do dia a dia. Não é para trocar de carro nem para comprar eletrodoméstico", afirmou.

Embora a alta da inflação seja algo além do escopo dos bancos e das famílias, o estudo do BC sugere que há medidas que as instituições financeiras poderiam tomar para reduzir o endividamento, como por exemplo a adoção da linguagem simples.

Em seu estudo, o BC analisou como diferentes formas de apresentação da fatura alteram a compreensão das condições de uso do produto. Em um experimento, grupos de participantes foram expostos a faturas com diferentes designs e em seguida preencheram um questionário quanto ao entendimento da fatura e a tomada de decisão.

Segundo o BC, os participantes que receberam as faturas com layouts mais simples compreenderam melhor os dados informados e souberam explicar as consequências de aceitar o crédito rotativo, ou o pagamento da fatura em parcela, modalidades de pagamento que têm juros maiores.

Para o BC, as informações apresentadas na fatura costumam vir de forma técnica e confusa, limitando o entendimento do consumidor e incentivando o pagamento de parcelas menores, aumentando os juros.

“Nesse sentido, a simplificação das faturas de cartão de crédito é vislumbrada como possível facilitador para melhorar o perfil de uso desse instrumento”, disse o Banco Central.