Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.410,68
    +2.051,44 (+4,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Mudança de nomes no iFood pode parar na Justiça após reclamação de restaurantes

·2 min de leitura

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) disse esperar que o iFood apresente algum tipo de compensação financeira aos estabelecimentos atingidos por uma falha na noite da última terça-feira (2). Na ocasião, nomes de restaurantes e bares tiveram seus nomes trocados para mensagens de cunho político, com apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), contra rivais e antivacina, em uma desfiguração que durou cerca de uma hora.

Em comunicado, a organização cita prejuízos às imagens dos estabelecimentos que tiveram seus nomes pixados na plataforma, além de mostrar preocupação com fragilidades no sistema. No primeiro caso, a Abrasel cita eventuais danos às imagens dos negócios, enquanto no segundo, elogia a rapidez com que o iFood resolveu a questão, mas também pede que os procedimentos de segurança sejam revistos e reforçados.

A ideia, afirma o órgão, é evitar que problemas semelhantes não voltem a acontecer e, mais do que isso, que o impacto de uma vulnerabilidade de segurança desse tipo não seja maior. A associação disse ainda ver com preocupação o fato de que, de acordo com comunicado oficial, 6% dos restaurantes foram atingidos pela desfiguração e afirmou esperar que as medidas, a serem tomadas não apenas pelo iFood mas por todos os aplicativos de delivery, façam com que clientes e donos de estabelecimentos se sintam seguros ao confiar dados a tais sistemas.

Em nota publicada na noite de terça, o iFood atribuiu o problema de segurança a um prestador de serviço terceirizado, que teria os privilégios necessários para alterar os nomes dos restaurantes e bares cadastrados. A empresa disse ter mitigado o problema de forma imediata, revogando o acesso da empresa parceira, e afirmou mais de uma vez que não existem indícios de comprometimento dos dados pessoais e de pagamento de comerciantes e clientes.

Em seu comunicado sobre o caso, a Abrasel não fala na abertura de procedimentos judiciais. Por outro lado, o iFood pode estar sujeito a eles por meio da LGPD, que possui artigos relacionados ao tratamento de dados pelas empresas de tecnologia e proteções contra violação; advogados ouvidos pelo jornal carioca Extra apontam, ainda, a possibilidade de enquadramento da ação como crime de ódio, devido à publicação de mensagens jocosas com a morte da deputada Marielle Franco, por exemplo.

Desde o incidente, o iFood não se pronunciou mais sobre o assunto. O serviço também não comentou a nota da Abrasel.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos