Mercado abrirá em 7 h 5 min
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,35
    +0,34 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.921,50
    -8,50 (-0,44%)
     
  • BTC-USD

    22.820,59
    -364,26 (-1,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    516,73
    -10,46 (-1,98%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.555,27
    -11,51 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.391,00
    +28,25 (+0,10%)
     
  • NASDAQ

    12.034,75
    -72,00 (-0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5102
    -0,0095 (-0,17%)
     

Mudança em orçamento afeta programa que levaria cientistas em missões na ISS

Devido a uma redução de orçamento para o novo ano, a NASA terá que repensar os planos de levar cientistas à Estação Espacial Internacional para a realização de pesquisas em órbita por meio do projeto Commercially Enabled Rapid Space Science (CERISS). A iniciativa dependia de um aumento orçamentário, que, no fim, não terá a proporção esperada.

O projeto CERISS foi apresentado no ano passado com a proposta de levar cientistas à ISS ou a futuras estações comerciais por meio de missões privadas. Segundo Craig Kundrot, diretor da divisão de ciências físicas e biológicas na NASA, ter cientistas no espaço conduzindo pesquisas poderia aumentar em até 100 vezes a velocidade delas.

Por meio do programa, cientistas e astronautas poderiam trabalhar juntos em experimentos na ISS (Imagem: Reprodução/NASA)
Por meio do programa, cientistas e astronautas poderiam trabalhar juntos em experimentos na ISS (Imagem: Reprodução/NASA)

Quando o programa foi anunciado, Kundrot propôs que os cientistas trabalhassem em conjunto com os astronautas da NASA na estação. Como os cientistas estariam a bordo da ISS trabalhando nos experimentos, eles não precisariam esperar os resultados chegarem na Terra para somente depois analisá-los.

A divisão recebeu US$ 82,5 milhões no ano fiscal de 2022, e solicitou US$ 100,4 milhões para o ano fiscal de 2023. O problema é que, para acontecer, o CERISS dependia de um aumento orçamentário — e, nesta quarta-feira (18), Kundrot comunicou que a divisão recebeu apenas US$ 85 milhões para o novo ano fiscal. Ao considerar a inflação, a soma é ainda menor que aquela recebida no ano passado.

Ele afirmou que a iniciativa comercial de trabalhar com a indústria, para aumentar o ritmo de pesquisas na órbita baixa da Terra, precisou recuar para análises e planejamentos em 2023. “Não vamos publicar chamados para contratos, mas vamos continuar os planos”, disse. Kundrot deve deixar a NASA no fim de janeiro, e observou que o orçamento recebido também deverá afetar outros programas da divisão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: