Mercado abrirá em 2 h 51 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,42
    +0,37 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.700,00
    +22,00 (+1,31%)
     
  • BTC-USD

    54.188,09
    +4.208,95 (+8,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.093,47
    +69,27 (+6,76%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.738,00
    +18,87 (+0,28%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.561,00
    +263,75 (+2,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Mubadala vence disputa por refinaria da Petrobras na Bahia com oferta de US$1,65 bi

·1 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Mubadala Capital venceu disputa pela Refinaria Landulpho Alves (Rlam), da Petrobras, na Bahia, com uma oferta de 1,65 bilhão de dólares, informou a petroleira estatal em fato relevante nesta segunda-feira, na primeira conclusão para a venda de uma refinaria anunciada pela companhia.

A assinatura do contrato de compra e venda ainda está sujeita à aprovação dos órgãos competentes, ressaltou a companhia.

A Rlam é uma das oito refinarias que a Petrobras colocou à venda, que somam juntas cerca de metade da capacidade de produção de combustíveis do Brasil.

A companhia informou ainda que encerrou processo para a venda da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná, pois propostas apresentadas ficaram aquém da avaliação econômico-financeira da Petrobras. Um novo processo competitivo será aberto para essa unidade.

A Reuters havia publicado em janeiro, com informações de fontes, que a companhia havia recebido propostas pela Repar, mas que os valores estavam baixos.

Já o processo de venda das demais refinarias --Refap, Reman, Rnest, Regap, Lubnor e SIX-- continuam em andamento, disse a Petrobras.

(Por Marta Nogueira)