Mercado abrirá em 4 h 38 min
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,75
    +0,13 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.837,20
    +6,90 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    21.385,17
    -30,36 (-0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    466,46
    +12,56 (+2,77%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.280,01
    +71,20 (+0,99%)
     
  • HANG SENG

    22.201,08
    +482,02 (+2,22%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.254,50
    +114,00 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5367
    -0,0157 (-0,28%)
     

MST protesta contra agrotóxicos e queima pneus na sede da Bayer

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - Um grupo de manifestantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) protestou nesta sexta-feira (10) na sede da Bayer em Jacareí (90 km de São Paulo) contra a produção e o uso de agrotóxicos na agricultura do país.

Formado por cerca de 100 manifestantes da Juventude Sem Terra, o grupo ateou fogo a pneus próximo a uma estrutura com o símbolo da Bayer, pichou paredes e realizou um ato na entrada da empresa.

Em nota, a Bayer condenou os danos causados pela manifestação e disse que a ação violenta é inaceitável em uma sociedade democrática.

"Condenamos veementemente a violência e os danos cometidos durante a manifestação nos escritórios da Bayer. Estamos sempre abertos ao diálogo e à transparência, mas a ação violenta é inaceitável em uma sociedade democrática, e totalmente contrária aos nossos valores", informou.

O protesto em Jacareí faz parte de uma série de ações da Jornada Nacional da Juventude Sem Terra que tem como objetivo denunciar os impactos ambientais e sociais do agronegócio.

"A ação expressa a força e a capacidade organizativa da juventude em torno da nossa pauta da Reforma Agrária Popular e também o intuito de denunciar os crimes ambientais do agronegócio e as mortes cometidas por envenenamento pelos agrotóxicos produzidos dentro dessa empresa", disse Maurício Arante, do Coletivo de Juventude do MST.

Também aconteceram manifestações nos estados do Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro em torno da questão ambiental.

Em nota sobre o protesto, o MST destacou que a Bayer importa para o Brasil substâncias que são proibidas em outras partes do mundo e que os herbicidas à base de glifosato trazem risco à saúde humana e ambiental.

A empresa ainda disse entender as preocupações dos manifestantes, mas defendeu o uso dos defensivos agrícolas.

"Precisamos de sementes com tecnologia inovadora, proteção de cultivos e soluções digitais para enfrentarmos alguns dos maiores desafios do nosso tempo: produzir alimentos suficientes para uma população mundial crescente utilizando menos recursos", informou em nota.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos