Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,69
    +0,49 (+0,63%)
     
  • OURO

    1.762,50
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    16.459,80
    +238,39 (+1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,69
    +0,96 (+0,25%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.504,00
    -20,75 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4387
    -0,1105 (-1,99%)
     

MRV tem queda de 92% no lucro do 3º tri, queima R$1,2 bi de caixa

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - A MRV teve uma grande queda no lucro do terceiro trimestre, com recuo nas vendas no Brasil e receitas zeradas da unidade norte-americana Resia, mas sinalizou melhora futura das margens com repasse aos clientes de preços maiores de insumos.

A construtora revelou nesta quarta-feira que seu lucro de julho a setembro somou apenas 7 milhões de reais, montante 96,2% menor do que na mesma etapa de 2021.

No Brasil, a receita líquida encolheu 6%, para 1,64 bilhão de reais, uma vez que a MRV subiu os preços de imóveis para repassar preços maiores de insumos dos últimos trimestres. A margem de novas vendas aumentou 9 pontos percentuais, para 28%, mas as vendas diminuíram 13,3% ano a ano.

"Identificamos um cenário mais propício para repasse de aumento de custos", disse à Reuters o diretor de finanças e relações com investidores da MRV, Ricardo Paixão.

A construtora afirmou ter incrementado em 19% o valor médio das vendas no Brasil, ante INCC acumulado de 8,66%, alegando que sua prioridade é a recomposição de sua margem bruta, em detrimento do crescimento da operação.

Em outra frente, a Resia, braço da MRV nos Estados Unidos que vende empreendimentos para investidores fazerem locação, teve zero vendas no trimestre, ante 620 milhões de reais um ano antes e de 955 milhões de abril a junho.

Esse conjunto fez o grupo ter no trimestre um consumo de caixa de 1,22 bilhão de reais, ante geração de 343 milhões de reais no trimestre imediatamente anterior.

Segundo Paixão, a expectativa é acelerar lançamentos e vendas no Brasil neste quarto trimestre. Há também uma chance de venda de um empreendimento da Resia no período. Segundo ele, o aumento dos juros nos EUA e o consequente encarecimento do financiamento imobiliário tem ampliado a procura por aluguel, solução oferecida pela Resia.

Porém, o conglomerado pode ter nova queima de caixa no quarto trimestre.

A MRV&Co teve frustrados os planos de atração de investidor estratégico para a Resia, dado o cenário de alta de juros nos EUA que tem espantado interessados pelo negócio que costumam operar com dinheiro emprestado.

A MRV agora avalia a possibilidade de obter mais capital para a Resia por meio de uma oferta inicial de ações (IPO), mas Paixão declinou dar detalhes sobre prazos e montante.

A companhia afirmou que não fará novos "aportes da empresa na Resia e nem aportes relevantes na Urba".

O resultado operacional da MRV&Co no terceiro trimestre, medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) foi de 36 milhões de reais, um declínio anual de 90,6%.

A companhia fechou setembro com uma dívida líquida de 4,1 bilhões de reais, aumento de 44,8% em relação a junho. Com isso, a alavancagem medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda subiu de 1,83 para 3,42 vezes.