Mercado abrirá em 9 h 30 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,61
    +0,22 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.877,40
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    13.229,21
    +11,92 (+0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,75
    -10,94 (-4,01%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.393,16
    -315,64 (-1,28%)
     
  • NIKKEI

    23.261,37
    -157,14 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    11.226,25
    +93,50 (+0,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7391
    +0,0047 (+0,07%)
     

MPs pedem retorno de ação de R$155 bi contra Samarco, Vale e BHP por Mariana

·2 minutos de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - Os ministérios públicos federal e estadual em Minas Gerais (MP-MG e MPF-MG) e defensores públicos pediram à Justiça o imediato retorno do andamento processual de uma ação civil pública que pede reparações bilionárias às mineradoras Samarco, Vale e BHP pelo rompimento da barragem de Fundão em 2015.

O incidente em instalações da Samarco, uma joint venture entre Vale e BHP, deixou 19 mortos e poluiu o importante rio Doce, sendo considerado o maior desastre ambiental da história do Brasil.

Na ação que pede reparações de 155 bilhões de reais, ajuizada em maio de 2016, também são réus a União e o Estado de Minas Gerais, segundo o MP-MG.

O andamento da ação sobre o desastre em Mariana (MG) havia sido suspenso em 2018, após acordo entre autoridades federais, estaduais e as empresas.

Os procuradores alegam demora das empresas no cumprimento de obrigações e a expiração de um prazo de dois anos previsto para o processo de repactuação.

Na ação, procuradores e defensores públicos afirmaram que os atingidos não podem esperar indefinidamente enquanto as empresas buscam formas de adiar o cumprimento de obrigações acordadas.

"Expirado o prazo de dois anos, a retomada da ação é medida que se impõe, em respeito a todas as vítimas desse lamentável evento", afirmaram, em petição divulgada pelo MP-MG em seu site.

Procurada, a Vale não respondeu de imediato a um pedido de comentário. Não foi possível falar de imediato com representantes de Samarco ou BHP.

O movimento das autoridades para retomar a ação judicial vem após a Reuters ter publicado no mês passado que o Ministério Público Federal (MPF) tem buscado ser mais incisivo contra as empresas em processos relacionados aos desastres na mineração, por entender que ações de reparação estão atrasadas e insuficientes.

(Por Luciano Costa)