Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.123,85
    -3.459,16 (-3,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.925,52
    -673,01 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,40
    -0,89 (-1,18%)
     
  • OURO

    1.736,70
    -0,80 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    41.693,53
    -855,46 (-2,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.029,09
    -28,06 (-2,65%)
     
  • S&P500

    4.352,63
    -90,48 (-2,04%)
     
  • DOW JONES

    34.299,99
    -569,38 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.254,90
    -245,49 (-1,00%)
     
  • NIKKEI

    29.386,38
    -797,58 (-2,64%)
     
  • NASDAQ

    14.833,25
    +68,50 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3423
    -0,0003 (-0,00%)
     

MPF investiga se presidente da Caixa fez pressão indevida contra Fiesp e Febraban

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* SAO PAULO, SP, BRASIL, 26-11-2012:  Predio da Fiesp na Av. Paulista. (Foto: Avener Prado/Folhapress)
*ARQUIVO* SAO PAULO, SP, BRASIL, 26-11-2012: Predio da Fiesp na Av. Paulista. (Foto: Avener Prado/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Procuradoria da República no Distrito Federal investiga se o presidente da Caixa, Pedro Duarte Guimarães, utilizou seu cargo para pressionar indevidamente empresários e lideranças da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e da Febraban (Federação Brasileira de Bancos).

A Caixa e o Banco do Brasil ameaçaram abandonar a Febraban caso a entidade assinasse o manifesto da Fiesp produzido antes das manifestações do dia 7 de setembro e que abordava a preocupação com a escalada da crise entre os Poderes.

A apuração foi incluída no inquérito civil em andamento que acompanha se o banco mantém os padrões de governança e compliance adotados após os crimes descobertos pela força-tarefa Greenfield, que investigou desvios no banco e em fundos de pensão nas gestões do PT.

A ação do presidente do banco público, diz o pedido do MPF que o Painel teve acesso, além de poder configurar ato de improbidade administrativa ou quiçá crime de ameaça”, indica “possível politização da instituição financeira, afetando a governança e a credibilidade de sua atuação”.

Segundo o MPF, o inquérito civil estava para ser arquivado, mas, além das notíciais sobre a ameaça de deixar a Febraban, surgiram “informações reservadas e anônimas dando conta de que os antigos esquemas de favorecimento político, clientelismo e apadrinhamento teriam voltado a pressionar a estrutura da Caixa”.

Ao pedir a apuração, o MPF dá 10 dias para que Pedro Guimarães, a Fiesp e a Febraban apresentem suas versões sobre os fatos.

O procurador do caso também oficiou o Banco Central para saber se alguma investigação foi aberta e se foram adotadas medidas para coibir “o uso político das instituições financeiras federais".

A PricewaterhouseCoopers, responsável pela auditoria independente do banco, foi questionada se tomou conhecimento dos fatos e chamada para acompanhar os desdobramentos do inquérito.

Após receber e analisar as informações, o MPF vai decidir sobre a necessidade de tomar o depoimento do presidente da Caixa.

A Caixa foi procurada, mas informou que não irá se manifestar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos