Mercado abrirá em 8 h 32 min
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,35 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,43 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,57
    -0,19 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,10 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    23.838,19
    +530,14 (+2,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    556,94
    +14,07 (+2,59%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,07 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.482,37
    +42,63 (+0,57%)
     
  • HANG SENG

    20.228,71
    +182,94 (+0,91%)
     
  • NIKKEI

    27.978,23
    -271,01 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.214,25
    +31,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2115
    +0,0021 (+0,04%)
     

MPF denuncia Equatorial Pará por distribuição ilegal de energia em terra indígena

Linhas de transmissão

SÃO PAULO (Reuters) - O Ministério Público Federal apresentou uma denúncia à Justiça Federal contra uma concessionária do grupo Equatorial Energia pela instalação de redes de distribuição de energia ilegais dentro da Terra Indígena Cachoeira Seca, no Pará.

A denúncia do MPF alega que a distribuidora Equatorial Pará cometeu crime ambiental e fraude e pede que a empresa pague 1,6 milhão de reais para reparar danos ambientais.

Segundo o MPF, a distribuidora prosseguiu com as obras de três estruturas em terras indígenas mesmo após negativas do Ibama e da Funai durante o processo de autorização para construção.

A concessionária chegou a ser multada em 800 mil de reais pelo Ibama por ter instalado redes de energia sem licença dos órgãos ambientais competentes, diz a nota do órgão.

Essas ligações de energia beneficiariam não-indígenas que estão ocupando irregularmente a Terra Indígena Cachoeira Seca, localizada nos municípios de Altamira, Placas e Uruará, de posse dos grupos indígenas Arara e Xipaya, disse o MPF.

"Contudo, mesmo com a autorização negada a denunciada manteve o fornecimento de energia elétrica (que desde o princípio era ilegal) e, ao que tudo indica, permanece fornecendo até hoje", diz a denúncia.

Ainda segundo o MPF, a Equatorial deverá responder pelo crime de fraude ambiental, já que teria negado ao Ibama a realização de obras e a existência de ligação regular de energia dentro da terra indígena.

"A informação falsa foi comprovada pelo Ibama durante a inspeção em que encontrou as ligações e pode inclusive registrar as faturas de energia cobradas dos invasores."

Em posicionamento enviado à imprensa, a Equatorial Pará disse que, até o momento, não foi citada e não teve acesso a qualquer ação judicial relacionada ao assunto.

Sobre a terra indígena Cachoeira Seca, a empresa afirmou que vem colaborando com a Funai para o desligamento de toda e qualquer instalação que seja necessária.

"A distribuidora reforça que não compactua com qualquer violação de questões ambientais e que está a postos para apoiar e acompanhar os órgãos competentes na realização de qualquer ação nas localidades."

A Equatorial disse ainda que, como responsável pelos serviços de distribuição no Pará, busca implementar plano de universalização de energia para todos cidadãos paraenses, sempre em observância à legislação.

O grupo Equatorial possui atuação em toda a cadeia do setor elétrico e tem entre seus acionistas a Squadra Investimentos, Opportunity, BlackRock e o Canada Pension Plan (CPPIB).

(Por Letícia Fucuchima)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos