Mercado fechará em 1 h 59 min
  • BOVESPA

    110.291,46
    +1.640,41 (+1,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.700,84
    +459,03 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    92,15
    +1,65 (+1,82%)
     
  • OURO

    1.812,80
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    23.921,65
    +851,57 (+3,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    563,32
    +32,10 (+6,04%)
     
  • S&P500

    4.204,59
    +82,12 (+1,99%)
     
  • DOW JONES

    33.269,83
    +495,42 (+1,51%)
     
  • FTSE

    7.507,11
    +18,96 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    19.610,84
    -392,60 (-1,96%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,67 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.380,25
    +348,75 (+2,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2178
    -0,0149 (-0,28%)
     

MPF cita 'possível interferência ilícita' de Bolsonaro na investigação contra Milton Ribeiro e envia caso ao STF

O Ministério Público Federal apontou que houve indícios de vazamento da operação da Polícia Federal contra o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, deflagrada na última quarta-feira, e "possível interferência ilícita por parte do presidente da República Jair Messias Bolsonaro nas investigações". Por isso, o MPF solicitou o envio do caso ao Supremo Tribunal Federal.

Leia também: Operação no MEC teve comemoração de servidores e tentativa de ministro de se desvincular do caso

Lula critica prisão de Milton Ribeiro: 'Direito à defesa é valor monumental'

O MPF não apresentou detalhes da prova encontrada. Esse indício de vazamento teria sido apontado em um áudio encontrado com Milton Ribeiro.

O juiz federal Renato Borelli, da 15ª Vara Federal do Distrito Federal, acolheu o pedido para enviar para o Supremo Tribunal Federal (STF) a investigação contra Milton Ribeiro. De acordo com a decisão, o pedido para envio ao STF partiu do Ministério Público Federal "pois verificada a possível interferência nas investigações por parte de detentor de foro por prerrogativa de função no Supremo".

Na quinta, o delegado do caso, Bruno Calandrini, havia escrito uma mensagem a colegas dizendo que houve interferência da cúpula da PF para que Milton Ribeiro, após sua prisão, não fosse transferido para a carceragem da PF no Distrito Federal. Ele, entretanto, não citava nenhuma autoridade responsável por essa suposta interferência.

Com isso, caberá ao STF e à Procuradoria-Geral da República (PGR) analisar as provas para avaliar se a investigação deverá permanecer no Supremo ou se volta à primeira instância.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos