Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.477,92
    -781,83 (-0,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.238,87
    -468,85 (-1,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,51
    -1,34 (-3,36%)
     
  • OURO

    1.904,10
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.957,94
    -192,08 (-1,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    258,39
    -5,02 (-1,91%)
     
  • S&P500

    3.390,72
    -74,67 (-2,15%)
     
  • DOW JONES

    27.600,52
    -735,05 (-2,59%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.420,00
    -243,50 (-2,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6438
    -0,0201 (-0,30%)
     

MPF: Causa mais provável de queimadas é expansão da agropecuária

Isadora Peron
·2 minutos de leitura

Ao contrário do que sugeriu Bolsonaro, indígenas "têm contribuído para a preservação" Após a fala do presidente Jair Bolsonaro na Organização das Nações Unidas (ONU), a Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais, do Ministério Público Federal (MPF), defendeu que somente depois de uma investigação será possível identificar os responsáveis pelos incêndios na Amazônia e no Pantanal, mas que a hipótese mais provável é que o aumento das queimadas tenha sido provocado pela expansão da atividade agropecuária. "Somente após rigorosa investigação criminal, através do cruzamento de imagens de satélite e de perícia técnica, é que se poderá atestar a causa das últimas queimadas na Amazônia e no Pantanal, bem como os verdadeiros responsáveis por estas, sendo certo que as evidências científicas coletadas até o momento apontam para a expansão da atividade agropecuária como a causa mais provável", diz a nota pública divulgada nesta quinta-feira. Operação de combate a incêndio no Pantanal Mayke Toscano/Secom-MT O texto não cita a fala do presidente, mas faz uma defesa do manejo tradicional de recursos naturais feito pelas populações indígenas e ribeirinhas. Para o MPF, ao contrário do que sugeriu Bolsonaro, a atuação desses grupos "têm contribuído para a manutenção e preservação ambiental de rios, florestas e da rica fauna dos biomas da Amazônia, Cerrado e Pantanal". "As queimadas e desmatamentos ocorridos nesses três biomas provocam o agravamento das doenças respiratórias nas populações do entorno desses focos de incêndio, levam à erosão massiva da biodiversidade e constituem uma ameaça permanente às terras tradicionalmente ocupadas pelos índios e sua própria sobrevivência física e cultural, garantidas pelo artigo 231 da Constituição Federal", afirma a nota. Na terça-feira, durante a abertura da Assembleia Geral da ONU, Bolsonaro afirmou que o Brasil é vítima de uma "brutal campanha de desinformação" e, sem provas, disse que os incêndios na Amazônia e no Pantanal são provocados por "caboclos e índios". "Nossa floresta é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior. Os incêndios acontecem praticamente, nos mesmos lugares, no entorno leste da Floresta, onde o caboclo e o índio queimam seus roçados em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas", afirmou.