Mercado abrirá em 3 h 10 min
  • BOVESPA

    113.794,28
    -1.268,26 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,08
    -0,53 (-0,73%)
     
  • OURO

    1.765,60
    +8,90 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    47.843,26
    -224,67 (-0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.218,81
    -14,48 (-1,17%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.039,74
    +12,26 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.496,25
    -21,50 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2050
    +0,0202 (+0,33%)
     

MPF abre três inquéritos civis para apurar suspeitas de irregularidades na gestão ambiental do governo Bolsonaro

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - O Ministério Público Federal abriu três inquéritos civis para apurar suspeitas de irregularidades na área ambiental do governo Bolsonaro, envolvendo a nomeação de militares para cargos de comando do Ibama, a liberação de agrotóxicos pela Anvisa e a divulgação de dados "supostamente divergentes" sobre queimadas no Brasil pela Secretaria de Comunicação Social (Secom).

Os três casos vão tramitar na Procuradoria da República do Distrito Federal sob a responsabilidade do procurador Felipe Fritz Braga. As portarias de abertura dos inquéritos foram publicadas ontem e anteontem no Diário Oficial do Ministério Público Federal.

No primeiro caso, o objeto do inquérito é "apurar e tomar providências sobre notícia de militarização de cargos de chefia no âmbito do Ibama e mudanças de regramento em prejuízo à sua função institucional". Esses fatos também já são investigados pela Polícia Federal, em inquéritos que miraram o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles e acabaram resultando em pressão para que ele pedisse demissão do cargo.

Um segundo inquérito tem o objetivo de "apurar e tomar providências quanto ao aumento do número de agrotóxicos liberados nos anos de 2019 e 2020 e as implicações na saúde, na segurança alimentar e no meio ambiente". Dados indicam que a atual gestão bateu recordes na liberação de agrotóxicos, em comparação com os governos anteriores.

A terceira investigação mira a Secom e busca "apurar e tomar providências quanto à divulgação de dados supostamente divergentes relacionados às queimadas no Brasil nos últimos 10 anos". Em setembro do ano passado, a Secom fez uma publicação em rede social comparando períodos diferentes de tempo para dizer que o governo teve redução no número de queimadas em 2020. A postagem comparava dados anuais de 2003 a 2019 com dados de oito meses de 2020.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos