Mercado fechado

MPF abre inquérito contra Sara Winter por mau uso do "fundão eleitoral"

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
BRASILIA, BRAZIL - MAY 09: Sara Winter, the leader of the extreme right group "300 do Brasil" and supporter of Brazilian President Jair Bolsonaro, reacts during a motorcade and protest against the National Congress and the Supreme Court over lockdown measures amidst  the coronavirus (COVID-19) pandemic at the Planalto Palace on May 09, 2020 in Brasilia. Sara Winter was arrested on June 15 by the Federal Police as part of an investigation into the financing of anti-democratic protests. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
Contas da candidatura de Sara Winter nas eleições de 2018 não foram aprovadas pelo TRE-RJ. (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)

O MPF (Ministério Público Federal) abriu um inquérito para investigar a ativista bolsonarista Sara Giromini, que se proclama Sara Winter, por suspeita de mau uso da verba do “fundão” eleitoral, quando foi candidata em 2018.

As informações são do colunista Lauro Jardim, publicadas no O Globo.

Segundo a coluna, Sara teve as contas desaprovadas pelo TRE-RJ (Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro). A militante pró-presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já era alvo de procedimento preparatório do MPF, agora transformado em inquérito.

Leia também

Um dos pontos investigados pela Justiça eleitoral na prestação de contas de Sara é referente ao gasto de R$ 25 mil, destinados pelo DEM à campanha dela concorrendo ao cargo de deputada federal pelo Rio.

Segundo a Justiça, Sara não comprovou os gastos da verba do “fundão”. Caso fique comprovado a “malversação” do uso da verba partidária, Sara pode ser condenada por improbidade administrativa.